Técnica cirúrgica utilizada pelo Hospital Galileu é um dos cases de estudo em evento científico nacional

Unidade aprimorou a técnica cirúrgica para recuperar a via da respiração de pacientes que se envolveram em acidentes de fortes impactos na região da cabeça e que precisaram passar por traqueostomia

24/10/2020 14h54
Por Rafaela Palmieri (HPEG)

Neste sábado (24), o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, sediou o encerramento da primeira edição do Encontro via Amazônia de Cirurgia para Tratamento de Doenças Inflamatórias Pulmonares e Laringotraqueais. 

A técnica, utilizada para atender pacientes que tiveram fortes impactos na região da cabeça e comprometeram o funcionamento das vias respiratórias, chamou atenção dos participantes e foi objeto de estudo durante o evento.

“Os resultados clínicos e sociais do Serviço de Doenças Laringotraqueais (Estenoses) do Hospital Galileu têm repercutido positivamente, estimulando cirurgiões do Brasil a entender como um programa complexo obteve sucesso em uma capital localizada na Amazônia brasileira, num hospital público”, explica Rodrigo Fauth, diretor Hospitalar da unidade.

Na ocasião, médicos cirurgiões torácicos de todo o país e cadastrados na Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBTC), acompanharam os procedimentos realizados em três pacientes com patologias laringotraqueais inflamatórias.

“São pacientes com sequelas da intubação prolongada, que desenvolveram complicações que não permitem que o ar passe de forma adequada pela traqueia, exigindo o uso de traqueostomia de forma definitiva”, explica o cirurgião Roger Normando, coordenador do Serviço de Cirurgia Torácica do HPEG.

O evento

O evento começou na última quinta-feira, 22, e por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi realizado no formato webinar – pela internet -, o que permitiu aos participantes acompanharem e debaterem os procedimentos em tempo real.

“Prestigiar esse evento é uma honra. O trabalho que a equipe está oferecendo para a população é muito valioso, já que são pacientes que tem uma grande necessidade em se comunicar e respirar melhor. É gratificante ver os resultados obtidos”, ressaltou Nilo Antunes, cirurgião torácico convidado e que atua no Hospital Getúlio Vargas, em São Luiz, no Maranhão.

Para Ajalce Janahú, membro da equipe de cirurgiões torácicos do HPEG, a oportunidade em compartilhar conhecimento com outros médicos é fundamental. “Com o crescimento no número de pacientes, os casos acabam se tornando complexos. No evento, compartilharmos o conhecimento com outros cirurgiões brasileiros”, disse. 

Serviço de Doenças Lanringotraqueais do HPEG

Seguindo normativas preestabelecidas pelo Governo do Estado, o Hospital Galileu iniciou o Serviço de Doenças Lanringotraqueais em outubro de 2016.  A traqueoplastia é um dos tratamentos realizados dentro do projeto.

“A traqueoplastia consiste na reconstituição da via área para que a pessoa possa voltar a respirar normalmente. O procedimento evita o uso da cânula de traqueostomia, que em muitos casos, é desconfortante e antissocial. Estamos conseguindo restaurar a vida de muitas pessoas”, explica Roger.

Para Lucas Geralde, médico e diretor técnico do HPEG, a iniciativa desenvolvida na instituição é essencial para a população paraense. “O projeto tem um cunho social muito forte, já que é algo que abala não só fisicamente, mas psicologicamente o paciente. Temos uma taxa de sucesso altíssima e é um serviço extremamente especializado oferecido pelo hospital”, pondera.