Adepará destrói carga com mais de 340 mudas clandestinas de citros em Xinguara

Sem a documentação que comprovaria a sanidade, a carga representava uma ameaça à citricultura paraense

16/10/2020 19h05 - Atualizada em 16/10/2020 22h29
Por Aycha Nunes (ADEPARÁ)

Fiscais da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) apreenderam 347 mudas clandestinas de plantas cítricas, que seriam comercializadas de forma irregular no interior do Estado. A operação de defesa vegetal ocorreu na manhã desta sexta-feira (16), no município de Xinguara, no sudeste paraense. Os fiscais constataram que algumas plantas apresentavam sinais de contaminação. Todas foram levadas para o aterro sanitário municipal e destruídas.As mudas apreendidas e destruídas pela Adepará, para prevenir pragas na citricultura paraense

A carga estava sem a documentação que comprovaria a sanidade dos vegetais, representando uma ameaça à cadeia produtiva e à economia. O Pará é hoje o maior produtor de mudas de frutas cítricas e de citros da Região Norte, além de ser o primeiro estado a receber do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) o título de Área Livre de Cancro Cítrico.

“Essas mudas que foram destruídas são consideradas clandestinas, pois não possuíam documentação oficial que garantisse sua sanidade. Nós temos no Pará duas áreas livres de pragas de citros. O polo citrícola do nordeste paraense, na região de Capitão Poço, e o polo citrícola do oeste paraense, capitaneado pelo município de Santarém, que são muito importantes para a economia. Então, essas mudas que chegam de forma clandestina se tornam uma ameaça aos nossos produtores rurais”, alertou a diretora de Inspeção e Defesa Vegetal da Adepará, Lucionila Pimentel.Foram apreendidas 347 mudas de plantas cítricas, que seriam comercializadas no interior do Estado

As sementes e mudas comercializadas ilegalmente podem conter pragas e doenças, além de apresentar baixa produtividade e rentabilidade quando comparadas aos produtos produzidos com tecnologia, rastreabilidade e excelência. O comércio ilegal prejudica toda a cadeia produtiva e a integridade do setor.

O comércio estadual de sementes e de mudas é fiscalizado pela Adepará, que garante a qualidade e a viabilidade desses insumos. As ações de vistorias garantem segurança fitossanitária às culturas em geral e coíbem a disseminação de pragas e doenças.

Origem - As mudas apreendidas eram oriundas do Estado de São Paulo (SP). Segundo o fiscal estadual agropecuário Fábio Alan Côrrea, elas representavam riscos para a agricultura paraense porque há, naquele Estado, ocorrências de pragas que já foram erradicadas ou controladas no Pará. 

A apreensão das mudas clandestinas é fruto de uma denúncia recebida pela Adepará. “Recebemos a denúncia e a foto do caminhão que comercializava as mudas de forma ilegal na região sudeste do Pará, e agimos rapidamente para evitar uma possível contaminação. Plantas contaminadas por doenças ou pragas em contato com outras mudas nos pomares podem representar um prejuízo incalculável para a citricultura paraense”, informou o fiscal, que trabalhou em parceria com o agente fiscal agropecuário Edenilton Nonato Leite.

A carga clandestina foi interceptada no município de XinguaraPara proteger os polos citrícolas foram instalados postos de fiscalização, que atuam como barreiras sanitárias nos municípios de Irituia e Ourém (nordeste paraense). Eles têm a missão de garantir a sanidade das frutas cítricas, por meio da inspeção fitossanitária, de procedimentos de desinfestação e fiscalização da documentação exigida para o trânsito de vegetais do gênero Citrus, oriundos de outros estados e municípios. Além do cancro cítrico, a Adepará atua para manter a produção estadual protegida das pragas “pinta preta” e Greening.

Polos produtivos - A produção de frutos cítricos no Pará ocupa uma área de 22 mil hectares, divididos entre 2.116 propriedades rurais, localizadas principalmente na microrregião de Capitão Poço, englobando os municípios de Capitão Poço, Garrafão do Norte, Irituia, Nova Esperança do Piriá e Ourém, e ainda na região de Monte Alegre, juntando os municípios de Alenquer, Belterra, Mojuí dos Campos, Prainha e Santarém, no oeste.

O trabalho de controle de pragas, educação e inspeção sanitária fez do Pará o pioneiro entre os estados com o título de área livre de cancro cítrico, concedido pelo Ministério da Agricultura, por meio das resoluções nº 1 e nº 6, de março de 2017. No mesmo ano, por meio do Decreto nº. 1943, o governo do Estado criou dois polos citrícolas nas regiões nordeste e oeste.

Para manter o status de área livre da praga quarentenária cancro cítrico, a Adepará realiza levantamentos de detecção periódica com equipes de fiscais estaduais agropecuários.

A certificação fitossanitária de origem é o acompanhamento da unidade de produção ou consolidação por um técnico habilitado pela Adepará, com o objetivo de atestar a qualidade da produção, em atendimento às exigências fitossanitárias dos mercados interno e externo.

Parte da produção paraense é exportada para os estados do Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Piauí e Tocantins, e desde 2016 também para União Europeia. As principais frutas cultivadas são laranja pera, limão taiti e tangerina mearina.