Emater investe em estratégias e tecnologia para garantir assistência a agricultores na pandemia

Técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) adaptam metodologias e atendem trabalhadores rurais, sem prejuízo relevante às cadeias produtivas  

17/09/2020 13h47 - Atualizada em 17/09/2020 15h24
Por Aline Miranda (EMATER)

Produtores de Breves, no Marajó, onde o órgão desenvolveu diversas ações, entre elas, os Diálogos RuraisEm março de 2020, a pandemia da Covid-19 assolou o mundo inteiro como uma imensa surpresa ruim. De um dia para o outro, as pessoas foram obrigadas a se isolar e até a parar de trabalhar. Uma preocupação que apareceu junto com o risco da doença foi a dúvida sobre a sustentabilidade da socioeconomia, se ela  conseguiria suportar tanta pausa e tanta barreira. Os principais prejudicados seriam certamente os trabalhadores de evidente vulnerabilidade: autônomos, em zonas afastadas e com renda dependente de fatores como incentivo, escoamento e consumo. 

Os agricultores familiares do Pará, entretanto, em nenhum momento padeceram desamparados pelo poder público, porque a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) de imediato desenvolveu estratégias para garantir o mínimo de continuidade de atendimento, sem prejuízo relevante às cadeias produtivas de alimentos e ao acesso a políticas de incentivo. 

Em Breves, no Marajó, por exemplo, arquipélago que figura entre os piores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) da América Latina, o escritório local iniciou uma metodologia diferenciada, com a qual as equipes de especialistas em campo continuam o contato direto com os agricultores, minimizando riscos de transmissão da Covid-19 e qualificando os projetos e ações governamentais. 

A metodologia Diálogos Rurais é uma adaptação de práticas comuns no cotidiano extensionista, conhecidas como “rodadas de conversação”. Fora a obrigação de uso de máscara e álcool em gel, o novo contexto é de encontros pontuais, limitados a dez pessoas, a fim de se evitar aglomeração, e com temas mais focados, para otimização de tempo. 

A crise sanitária sem precedentes também acabou antecipando na zona rural, de maneira forçosa, a incorporação de tecnologias que facilitam os serviços, sobretudo em localidades com distância significativa em relação à sede do município. 

A Emater criou grupos em aplicativos de comunicação para que o andamento dos projetos seja atualizado em caráter instantâneo, dispensando-se a necessidade de deslocamento, o que muitas vezes ultrapassa as dez horas seguidas de barco ou estrada.

“Hoje, por exemplo, posso solicitar de imediato um documento faltante para o agricultor se inserir em determinada política pública. O agricultor tira foto, manda e imprimimos. Ou informar quando o dinheiro do crédito já caiu na conta, evitando que o agricultor venha à cidade só para saber. Até há pouco, era preciso que um de nós, da parte de lá ou da parte de cá, viajasse quilômetros”, ilustra o chefe do escritório local da Emater, o engenheiro agrônomo Marinaldo Gemaque. 

Com conexão à internet, os agricultores puderam, ainda, instituir sistema de delivery (pronta entrega), para encomendas. 

Fluidez

Se antes os técnicos da Emater costumavam se reunir de uma vez com a média de 50 a 100 pessoas em cada comunidade, agora agrupam as famílias por critérios de afinidade, interesses e atividades. 

Ao longo dos últimos seis meses, a Emater promove um Diálogo Rural por semana, com planejamento específico. Já foram visitadas mais de dez comunidades, para tratar apenas com os envolvidos em assuntos próprios, como galinha caipira, crédito do Pronaf Floresta e comercialização de hortaliças. 

“Observamos que, com menos presenças e pauta direcionada, os encontros tornaram-se mais úteis e fecundos, longe de qualquer dispersão”, avalia Marinaldo Gemaque.

Os Diálogos das próximas semanas serão nas comunidades Ilha Corre do Jacarezinho,  Ilha Pereira, no rio Manteiga e  São Francisco do Anará, no Marajó.