Hospital Regional do Leste estimula o diálogo para ajudar a salvar vidas

Profissionais da unidade de saúde do Governo do Pará vão às ruas alertar para sintomas que podem levar ao suicídio

14/09/2020 20h56 - Atualizada em 14/09/2020 23h28
Por Mikaella Moraes (HRPL)

Desde 2015, a campanha Setembro Amarelo vem estimulando o diálogo sobre suicídio, um tema doloroso, que vem deixando de ser tabu devido às informações importantes que passaram a ser amplamente divulgadas no âmbito da iniciativa.

Para reforçar a importância do Setembro Amarelo, mês dedicado à sensibilização e prevenção ao suicídio, o Hospital Regional Público do Leste (HRPL), no município de Paragominas, no sudeste do Pará, iniciou uma programação para estimular diálogos que podem salvar vidas.Equipes do HRPL foram às ruas sensibilizar a população sobre fatores que levam ao suicídio

Na tarde desta segunda-feira (14), funcionários do HRPL foram às ruas falar diretamente com a população sobre o assunto. Com faixas e panfletos, eles abordaram pedestres e motoristas.

A agenda de ações foi iniciada na última sexta-feira (11), com uma roda de conversa no saguão do Hospital, com o objetivo de orientar funcionários, usuários e acompanhantes a identificar sintomas e comportamentos que podem levar ao suicídio.Psicólogas do Hospital Regional destacam a necessidade de acabar com os mitos em torno do tema

As psicólogas Aline Naara e Tayane Sousa abordaram o tema, ressaltando a importância de estar atento aos sinais e fatores de risco. O diálogo apontou ainda para o cenário de pandemia, que tem contribuído de forma significativa para o aumento de casos de depressão e ansiedade, no Brasil e em outros países.

“O isolamento traz consigo vários prejuízos emocionais, e com o cenário que estamos vivenciando, com o aumento de quadros de depressão e ansiedade, que são fatores de risco, está aí um alerta para que olhemos com mais cuidado para a saúde mental, pois se não houver sensibilidade poderá ocorrer um aumento considerável nos números de suicídios no Brasil”, alertou a psicóloga e analista de Recursos Humanos do Hospital Regional, Tayane Sousa.

Integração - Para Aline Naara, do setor Psicossocial do HRPL, falar sobre suicídio no âmbito hospitalar ajuda a combater mitos em torno do tema e chama a atenção para a necessidade de integração entre os profissionais, no que diz respeito ao reconhecimento e cuidado relacionado ao suicídio, que não deve envolver apenas os especialistas em saúde mental, mas os profissionais da saúde de maneira geral.O diálogo é a principal ferramenta de enfrentamento a problemas mentais

“Para que os colaboradores possam receber da melhor forma a campanha é fundamental que eles compreendam a importância e a relevância do assunto, e como ele está presente no nosso dia a dia. Nosso objetivo é proporcionar um espaço para informação, diálogo e conscientização sobre a saúde mental, para que estes profissionais possam reconhecer os possíveis sinais de risco e comportamentos de alertas, bem como melhor acolher os pacientes com tentativas de suicídios”, enfatizou.

A assistente administrativa de Qualidade, Thaynar Costa Veras, considera importante a iniciativa por proporcionar mais aprendizado e promover o acolhimento. “Suicídio é um termo que assusta, e a ação realizada no HRPL abriu um leque de conhecimento interpessoal, a fim de não mais gerar medo na hora de falar sobre o assunto, mas sim garantir um abraço acolhedor, que qualquer um de nós pode doar àquele que se sente excluído ou esquecido no meio da sociedade”, complementou.

A programação prossegue até o próximo dia 16 (quarta-feira), para alcançar o maior número possível de funcionários do Hospital.

Em Paragominas, de janeiro a agosto deste ano foram registradas sete ocorrências de suicídio. Os dados são da 13ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

O suicídio é uma das principais causas de mortalidade no Brasil e no restante do planeta, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, por ano, são notificados quase 12 mil casos, dos quais 96,8% estão relacionados a transtornos mentais. O índice cresce principalmente entre os jovens.

Regionalização - O Hospital Regional Público do Leste presta assistência de média e alta complexidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de 23 municípios paraenses, cumprindo seu papel no processo de regionalização do atendimento em saúde, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

A unidade está inserida em um seleto grupo nacional de hospitais, 100% SUS, que atingiu a certificação plena – concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).

Referência em atendimento de urgência e emergência às vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), o Hospital dispõe de 70 leitos, sendo 32 na Clínica Cirúrgica, 18 na Clínica Médica e 20 na Unidade de Terapia Intensiva - UTI adulto.

Serviço: O Hospital Regional Público do Leste está localizado na Rua Adelaide Bernardes, s/n, bairro Nova Conquista, em Paragominas. Mais informações pelos telefones: (91) 3739-1046 / 3739- 1253 / 3739-1102.