Biotec-Amazônia avança na implantação do Centro de Desenvolvimento Regional do Pará

Projeto busca estimular a economia paraense e fomentar a geração de emprego e renda na região, a partir de projetos científicos

21/08/2020 12h18 - Atualizada em 21/08/2020 14h15
Por Giovanna Abreu (SECOM)

Centro colocará em prática projetos que estão no papel ou em laboratórios, a fim de impactar positivamente o desenvolvimento regionalO Centro de Desenvolvimento Regional (CDR) do Pará está em fase de implantação pela BioTec-Amazônia, organização social voltada para o desenvolvimento tecnológico e científico da região, com foco na bioeconomia. O programa, que está na etapa de montagem da carteira de projetos, é o primeiro na Região Amazônica e tem como objetivo estimular a economia paraense e fomentar a geração de emprego e renda. 

Segundo o coordenador do CDR Pará e diretor-presidente da BioTec-Amazônia, professor José Seixas Lourenço, o Centro colocará em prática projetos que estão no papel ou em laboratórios, a fim de impactar positivamente o desenvolvimento regional. “O CDR Pará será um núcleo de articulação estratégica entre a academia e os demais atores institucionais presentes no território, como poder público e empreendedores, para, de fato, aplicar o conhecimento gerado nos Institutos de Ciência e Tecnologia a serviço do desenvolvimento socioeconômico local. Queremos transformar invenção em inovação”, explica. 

O projeto piloto da BioTec-Amazônia venceu, em março de 2020, uma chamada pública com a finalidade de instalação do Centro no Pará.  Pesquisadores atuantes na área da bioeconomia foram convocados para apresentarem projetos que contemplassem eixos estratégicos, como desenvolvimento de agronegócio e das tecnologias de alimentos; bioprodutos; saneamento básico; energia renovável; e valoração dos serviços ecossistêmicos, direcionados a municípios paraenses.

Professor José Seixas Lourenço, coordenador do CDR Pará e diretor-presidente da BioTec-AmazôniaOs projetos envolvem a bioeconomia, que segundo o professor José Seixas Lourenço, é um dos mais dinâmicos e promissores ramos da atividade econômica, voltado ao desenvolvimento de produtos e processos decorrentes do uso racional da biodiversidade existente no planeta, tendo como base de sustentação o uso do conhecimento científico em biotecnologia.

De acordo com o diretor-presidente da BioTec-Amazônia, mais de 200 projetos foram enviados à organização social. “Isso demonstra a presença de muito potencial científico e muita confiança no trabalho que ora se inicia”, ressalta. As inscrições encerraram no último dia 14 de agosto. 

“Os projetos estão sendo analisados pela equipe do CDR Pará e pelo CGEE, segundo critérios pré-definidos. Será montada uma carteira de projetos que será homologada pelo Fórum do Centro. Paralelamente, buscamos potenciais financiadores. Apesar de não dispor de orçamento próprio, o CDR Pará toma para si a responsabilidade de identificar e articular com as agências de financiamento e fazer a gestão dos mesmos” - professor José Seixas Lourenço, coordenador do CDR Pará e diretor-presidente da BioTec-Amazônia.

CDR – Os Centros de Desenvolvimento Regional são criados pelo Ministério da Educação e coordenados, em nível nacional, pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Em âmbito local, o CDR Pará será gerido pela BioTec-Amazônia, qualificada pelo Governo do Pará como organização social para promover o uso sustentável da biodiversidade estadual e regional, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet). A BioTec-Amazônia é a primeira OS vocacionada para a ciência e inovação em nível estadual no Brasil.