Alunos da rede estadual contam com rede ampliada de supermercados

30/06/2020 18h53 - Atualizada em 30/06/2020 19h21
Por Leidemar Oliveira (SEDUC)

Os alunos da rede estadual já contam com quatro estabelecimentos comerciais credenciados para fazer as compras com o cartão de vale-alimentação escolar. Três deles estão entre as maiores redes varejistas e de atacado da Região Metropolitana de Belém. Além das lojas do supermercado Formosa, as redes Preço Baixo Meio a Meio, Portugal e Rei do Alho também estão aceitando o cartão.

Com a ampliação dos estabelecimentos em Belém e Ananindeua, os alunos e familiares usaram o benefício nesta terça-feira (30). No supermercado Formosa o movimento foi intenso pelo segundo dia consecutivo, e o estabelecimento ampliou o horário de atendimento.

A diarista Carla de Almeida saiu mais cedo do trabalho e garantiu produtos para o filho de 4 anos, estudante da Escola Rosa Gattorno. Bolachas, frutas, achocolatado e cereais são alguns dos alimentos que ela levava na cesta. “Sou muito agradecida porque mesmo que a gente leve o básico, para quem tem pouca renda já é uma ajuda valiosa”, disse.

Daniele Monteiro usufruiu do benefício concedido pelo governo do EstadoNo Preço Baixo Meio a Meio, as lojas também registraram grande movimentação. Daniele Monteiro tem duas filhas estudantes da Escola Lucy Correa, no bairro da Cidade Nova, em Ananindeua. Ela aproveitou para comprar alimentos para as estudantes. “Estou levando o básico para a família e os produtos que elas mais gostam. Conseguimos comprar tudo direitinho, e agora a expectativa é pela terceira recarga”, frisou.

As compras da dona de casa Raquel Souza também foram reforçadas com os dois cartões dos filhos. Para ela, o auxílio do governo do Estado veio no momento em que as famílias passam por dificuldade financeira. Na lista de compras, os produtos que eles recomendaram à mãe. “É um bom auxílio. De certa forma meu filho, por meio do governo, está me ajudando com a alimentação. Sou muito agradecida”, comentou.

Demison Reis, 18 anos, aluno da Escola João Carlos Batista, no bairro do 40 Horas, foi ao supermercado e escolheu os alimentos. “A gente sabe que é um direito nosso, mas agradecemos por esse auxílio que ajuda as famílias com menos renda”.

O cartão de alimentação equivale a R$ 80 e pode ser usado em até 90 dias. O auxílio é concedido pelo Estado para ajudar na alimentação dos estudantes durante a suspensão das aulas presenciais ocasionada pela pandemia do novo coronavírus. Depois de recorrer à Justiça, o governo garante o atendimento dos alunos na rede credenciada pela empresa Meu Vale, responsável pelo gerenciamento dos cartões.