Segup comemora 61 anos com doação de alimentos e kits de higiene

Comunidades ribeirinhas e quilombolas, além da República de Emaús, foram contempladas pelo gesto de servidores da Secretaria

27/06/2020 15h43 - Atualizada em 27/06/2020 18h40
Por Aline Saavedra (SEGUP)

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) entregou neste sábado (27) cestas básicas e kits de higiene doados durante a campanha Segup Solidária, em comemoração aos 61 anos da instituição. Houve a doação de mais de 10 toneladas de alimentos por servidores do Sistema de Segurança Pública e demais funcionários, beneficiando as comunidades ribeirinhas Fé em Deus, próxima a Belém; do Arapari, em Barcarena, e comunidade do Poção, na Ilha de Cotijuba (distrito da capital).

Moradores de várias localidades receberam as cestas de alimentosA ação encerrada hoje também contemplou comunidades quilombolas dos municípios de Mocajuba, no Baixo Tocantins, e Salvaterra, no Arquipélago do Marajó, além da República de Emaús, cujo trabalho atende crianças e jovens de vários bairros da Região Metropolitana de Belém.

Servidores do Sistema de Segurança doaram mais de 10 toneladas de alimentosAs cestas foram entregues com o apoio do grupo voluntariado "De Coração", que também doou alimentos e participou da entrega, feita pelo Grupamento Fluvial de Segurança Pública (GFlu).

Para o titular da Segup, Ualame Machado, a campanha foi uma forma diferente de levar cidadania à população, em mais uma comemoração pela criação da Secretaria. "Nos 60 anos da Segup nós tivemos a felicidade de comemorar junto da população, oferecendo serviços à sociedade. Esse ano, em decorrência da pandemia (de Covid-19), nós optamos em comemorar de uma maneira diferente, ajudando quem mais precisa, com a arrecadação das cestas doadas por servidores", informou.

'Em boa hora' - Orlando Leão, que há 40 anos mora na comunidade do Arapari, foi um dos beneficiados pela ação. A fonte de renda dos moradores da comunidade é a comercialização de açaí e cacau, que estão na entressafra. "As cestas chegaram em bom momento, quando a comercialização do açaí tá em queda e o pessoal tá precisando muito. Com a pandemia as coisas ficaram ainda mais difíceis. Nós ficamos muito agradecidos, porque estamos precisando muito”, disse Orlando.A entrega nas localidades ribeirinhas teve a participação do Grupamento Fluvial

Para a ribeirinha Sônia Maria de Jesus, a ação foi inédita e chegou na hora certa. "Aqui nós estamos bem na frente de Belém, mas nunca vieram nos ajudar. Quando chega o Natal, as crianças correm pro trapiche pensando que vai chegar alguma coisa, uma roupa, um brinquedo, um alimento, mas as embarcações passam direto. A gente tá perto, mas também tá distante do olhar do pessoal que mora lá. Essa é a primeira vez que a gente recebe esse tipo de apoio", afirmou Sônia de Jesus.