Moradores de Marituba participam de curso de doces e salgados da Cosanpa

Área recebe obras de ampliação do sistema de abastecimento de água e, por isso, foi escolhida para o treinamento

17/02/2020 11h27 - Atualizada em 17/02/2020 12h27
Por Bianca Buenaño (COSANPA)

Participantes aprendem receitas e dicas de doces e salgados para festasDurante uma semana, 20 moradores do Conjunto Beija-Flor, em Marituba, foram qualificados para a produção de doces e salgados. O curso foi encerrado na última sexta-feira (14), pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa). A comunidade recebe obras de ampliação do sistema de abastecimento de água realizadas pelo órgão e, por isso, foi escolhida para o treinamento.

A qualificação teve como objetivo ensinar técnicas, dicas e receitas de doces e salgados que fazem sucesso em festas em geral. De acordo com a instrutora do curso, Rosivalda Farias Barros, o foco não é oferecer mil receitas, mas sim ensinar dicas que vão facilitar a vida de quem quer trabalhar nesse ramo. Segundo ela, nessa área, o conhecimento é imprescindível e os profissionais necessitam de prática, já que tudo o que envolve a alimentação requer bastante cuidado.

“Durante uma semana, busco dar dicas que deixam o caminho mais fácil para quem está pretendendo se tornar um microempreendedor. Falamos sobre higiene, manipulação de alimentos, receitas e explicamos a importância das embalagens e decoração. Cada aluno percebe que é possível produzir com baixo custo e assim pode gerar renda para família” - Rosivalda Farias Barros, instrutora do curso.

Com o conhecimento adquirido, comunidade poderá ter mais uma opção de trabalho e rendaFoi essa busca por conhecimento e aprendizado para geração de renda que fez com que dona de casa Bruna Nunes procurasse pela capacitação. Ela já trabalha na área e sabe da importância de estar sempre atualizada.

“Esses cursos também fazem com que a nossa remuneração seja melhor. Eu também pretendo disseminar essas técnicas e ajudar as pessoas, assim como a Cosanpa fez com a nossa comunidade. É gratuito e nos incentiva a ter uma profissão, além de mostrar a preocupação que o órgão tem em nos capacitar para termos uma renda e possamos exercer a função cada vez melhor”, contou a autônoma.