Piscicultura de Conceição do Araguaia cresce e ganha mercado

Apoio da Emater aos produtores tem gerado crescimento aos produtores

03/02/2020 14h41 - Atualizada em 03/02/2020 15h02
Por Rodrigo Reis (EMATER)

A região do Araguaia tem se destacado no cenário da piscicultura, principalmente em municípios como Xinguara e Conceição do Araguaia, onde a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) acompanha de perto produtores que dão exemplo de comprometimento e eficiência na produção. O piscicultor Crisler Alves possui 56 tanques em sua propriedade em Conceição do Araguaia e a produção é exportada para vários municípios do Estado. 

Assistido pelo escritório local da Emater, o piscicultor recebe todas as orientações necessárias que vão desde a aquisição de alevinos de qualidade, custos com ração (inclusive balanceada), cuidados específicos para a engorda do peixe, até a comercialização da produção. Atualmente, o piscicultor produz cerca de 20 toneladas/mês. A produção abastece o mercado local e também os municípios de Redenção, Cumaru do Norte e Pau D'arco.

“Atribuo grande parte desse sucesso como produtor a Emater, que me orientou desde o início, inclusive conseguindo acesso a programas de créditos, isso ajudou a me estruturar e aumentar a produção”.

A ascensão do produtor é evidente. Inicialmente começou com o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) linha A, depois foi para o Mais Alimentos – destinado para investir no aumento da produção e da produtividade e na redução de custos. Hoje, Crisler Alves já acessa o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), que oferece maior aporte financeiro para aquisição de itens relativos a bens e serviços.

“Esse crescimento do Crisler é um exemplo para os produtores da região, tanto é que já há muitos interessados em investir na piscicultura aqui no município de Conceição do Araguaia”, explica José Ernani Filho, técnico em agropecuária.

Em relação à comercialização, Ernani Filho comenta ainda que, em épocas festivas, como a Semana Santa, a Emater também ajuda o produtor a comercializar os peixes a um preço diferenciado no mercado, com valor acessível aos clientes. “é importante manter essa relação de confiança com o consumidor”, finaliza.

Outorga – Localizada numa área de assentamento devidamente legalizada junto ao Instituto Nacional de Regularização e Reforma Agrária (Incra), a propriedade possui outorga de direito de uso de recursos hídricos, que é a concessão emitida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas).

“Essa outorga é necessária inclusive para acessar linhas de créditos, é um documento obrigatório”, comenta Crisler Alves, que tem em seus tanques uma variedade de peixes: pintado, pirarucu, tambaqui, caranha e piauçu. Atualmente há um funcionário fixo que ajuda o piscicultor na produção e duas vezes por semana (segunda e quinta) contrata diaristas para realizar a despesca, momento de retirada dos peixes dos viveiros ao alcançarem o peso de mercado ou de consumo.

Para os próximos anos, a expectativa é das melhores. “Quero construir mais tanques e aumentar a minha produção. A tendência é chegar aos mercados dos municípios de Marabá e Parauapebas e, quem sabe, de outros estados, sempre com a parceria da Emater”, afirma.