Ideflor-bio e Setur entregam certificados para condutores ambientais

Cerca de 30 pessoas estão aptas a realizar a atividade em unidades de conservação do Estado

05/12/2019 12h57 - Atualizada em 05/12/2019 13h20
Por Pryscila Margarido (IDEFLOR-BIO)

Cerca de 30 moradores da Região Metropolitana de Belém concluíram o curso de Condutores de Trilhas e Caminhadas, realizado em parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e a Secretaria de Estado de Turismo (Setur), com o apoio do Corpo de Bombeiros Militar do Pará (CBM). A entrega dos certificados ocorreu na manhã de quarta-feira (4), no auditório do Instituto, em Belém.

A partir de agora, eles estão aptos a desenvolver a atividade de condução de visitantes nas trilhas em Unidades de Conservação (UC) estaduais, geridas pelo Ideflor-bio, situadas na RMB. São elas o Parque Estadual do Utinga, a Área de Proteção Ambiental (APA) de Belém, Área de Proteção Ambiental (APA) da Ilha do Combu e Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Metrópole da Amazônia.

Atuando como condutora ambiental no Utinga há 6 anos, Daiene Cristina Carvalho, 26, participou do curso pela segunda vez para atualizar os conhecimentos. “Antes de ser condutora estava desempregada. Foi uma grande oportunidade e acho importante se atualizar”, reforçou.

Além da capital paraense, o curso foi ministrado no município de Senador José Porfírio, sendo o primeiro realizado na região do Xingu, no período de 23 de setembro a 4 de outubro deste ano, onde a atividade poderá ser desenvolvida em duas UC: o Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Vitória de Souzel. Os 25 jovens concluintes receberão seus certificados na próxima semana.

Normativa – O curso de condutor ambiental obedece a normas nacionais vigentes para que pessoas físicas sejam devidamente habilitadas para oferecer os serviços nesses locais. “A capacitação é muito importante para a regulamentação da atividade, além de qualificar e gerar emprego e renda. Os alunos aprenderam sobre as especificidades das UC, potencial turístico e atrativos, para assim criarem seus roteiros e fazer a comercialização”, pontuou a turismóloga do Ideflor-bio e uma das ministrantes do curso, Letícia Freitas.

A condução é obrigatória em locais que requerem uma maior segurança do visitante. “Cada unidade de conservação deve ter uma portaria de autorização. A pessoa precisa ter o curso de condução ambiental, de atendimento pré-hospitalar, de sobrevivência na selva e o específico no local onde irá se cadastrar. Para iniciar, precisa se cadastrar junto ao Ideflor-bio”, frisou Letícia.

Turismo Ambiental – Algumas UC estaduais já possuem a normativa, como o Parque do Utinga (Portaria Nº 1199 de novembro de 2018), Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas (Pesam), sudeste paraense, e o Parque Estadual de Monte Alegre (Pema), no oeste do Pará. Estão sendo elaboradas as portarias do Revis Metrópole da Amazônia, na RMB, e das UC na região do Xingu.

“Com esses jovens se qualificando, passamos a ter mais professores ambientais, com a noção correta sobre a importância da preservação do Parque”, ponderou o gerente do Parque do Utinga, Ivan Santos.

O assistente de gestão de turismo da Setur, Antônio Pinheiro, ressalta que a iniciativa é uma forma de fomentar o turismo ambiental no Pará. “A atividade nas trilhas, em unidades de conservação, é um produto turístico. O curso proporciona uma atuação com responsabilidade. Em Senador José Porfírio, esses jovens vão poder entrar no mercado de trabalho também”, destacou.

A universitária Flávia Tatiane Costa, 42, realizou o curso e agora pretende efetuar o cadastro junto ao Ideflor-bio para dar início à atividade de condução nas trilhas do Utinga. “Além de obter mais conhecimento sobre as unidades de conservação, tenho muito interesse de continuar atuando com condução de canoagem e agora nas trilhas. Vamos ser multiplicadores sobre a importância de preservar o meio ambiente”, disse.