Cosanpa incentiva ações preventivas contra o câncer de próstata

Realização de palestras e dinâmicas são uma das maneiras de alertar para a doença

20/11/2019 10h56 - Atualizada em 20/11/2019 12h22
Por Bianca Buenaño (COSANPA)

No mês de combate ao câncer de próstata, a Companhia de Saneamento do Pará adere à campanha mundial conhecida como “Novembro Azul” e conscientiza seus funcionários e comunidades de áreas atendidas pela Companhia promovendo palestras e dinâmicas como forma de alertar para essa doença, ressaltando a importância da ida do homem ao médico para realizar exame preventivo.

Na sede da Companhia, em Belém, os funcionários participaram de uma atividade com a enfermeira do trabalho do Sesi, Marília Botelho, que fez uma dinâmica sobre saúde e depois palestrou sobre a doença, ressaltando a importância da prevenção. “Vim até a Cosanpa com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina, eles precisam se cuidar, por isso trouxe informações para que as pessoas possam entender mais sobre a doença, para que assim eles vejam o que é melhor para a própria saúde e de seus familiares”, pontuou Marília.

Em Castanhal, nordeste do Estado, o trabalho de conscientização se estendeu à população, mais de 40 pessoas foram até o Centro de Referência e Assistência Social - CRAS Milagre para participar de um bate-papo sobre os riscos da doença, prevenção e diagnóstico precoce, promovido pela equipe técnica social da Cosanpa. Logo após, foi feita uma dinâmica de perguntas e respostas sobre o que foi debatido, e ao final do dia, os moradores do município ganharam corte de cabelo.

“É muito importante trazer esse tema para dentro do nosso ambiente de trabalho, assim temos informação para repassar para a nossa família e os nossos amigos, conhecendo os riscos da doença e a importância de sempre fazer exames. Achei excelente a iniciativa da Cosanpa”, declarou Francisco César, funcionário da Companhia.

De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer de próstata é o mais frequente entre os homens depois do câncer de pele. Mesmo sendo uma doença comum, muitas vezes por medo ou por falta de conhecimento, muitos homens preferem não conversar sobre esse assunto.