Presos em flagrante três acusados de aplicar golpes em idosos no Marajó

17/10/2019 19h05 - Atualizada em 17/10/2019 21h10
Por Luiz Cláudio (PC)

Jerferson da Rocha Lopes, Manoel do Espírito Santo Tavares e Antonio Ronildo Souza Nascimento vão responder por vários crimesA Polícia Civil desarticulou nesta quinta-feira (17) um esquema criminoso que estava lesando pessoas idosas residentes em Muaná, município do Arquipélago do Marajó. Investigações realizadas pela equipe da Delegacia do município levaram às prisões em flagrante de Jerferson da Rocha Lopes; Antonio Ronildo Souza Nascimento e Manoel do Espírito Santo Tavares. Sob a promessa de repassar valores financeiros referentes ao programa Cheque-Moradia, do governo do Estado, os golpistas solicitavam às vítimas quantias em dinheiro para incluí-las em um suposto cadastro.

Até o momento, oito vítimas do golpe já foram identificadas no município, mas a estimativa é de que esse número chegue a 20. Os presos responderão por estelionato contra idosos, associação criminosa e tráfico de influência majorado.

Os crimes, explicou o delegado Reginaldo Gonçalves, titular da Delegacia de Muaná, ocorreram em localidades da zona urbana do município. As investigações foram iniciadas após os policiais receberem informações de que três homens estavam no município abordando pessoas idosas e aposentados, prometendo valores que chegavam a R$ 24 mil em Cheque Moradia, programa social administrado pela Companhia de Habitação do Pará (Cohab), que possibilita a pessoas com renda de até três salários mínimos custear a construção, ampliação ou reforma de suas casas. Para tanto, disse o delegado, os acusados convenciam os moradores a pagar valores para que fossem incluídos em um cadastro. A partir dessa informação, a equipe da Polícia Civil de Muaná passou a monitorar a ação do grupo. 

Nesta quinta-feira (17), os policiais civis receberam informações de que o grupo continuava aplicando o golpe. "Uma idosa chegou, inclusive, a dirigir-se a um caixa eletrônico em companhia de Antonio, um dos acusados, e fazer o saque de R$ 12 mil em benefício do grupo", informou o delegado, acrescentando que a estimativa é de que os acusados tenham enganado 20 pessoas. "As vítimas foram induzidas a crer que eles possuiriam influência junto a servidores públicos da Cohab, sem prejuízo de terem igualmente utilizado de ardil para obter vantagem ilícita de idosos", ressaltou.Documentos e celulares apreendidos com os acusados

O delegado Guilherme Gonçalves e a investigadora Anna Thays foram ao local onde os acusados estavam e deram o flagrante. Com os presos, foram apreendidas máquinas usadas na transferência bancária mediante uso de cartões, um pen drive e cópias de documentos. Os três foram conduzidos à Unidade Policial de Muaná para lavratura do flagrante. "Há indícios de atuação do trio em outros municípios e, possivelmente, com outros nomes", reiterou o delegado titular da Delegacia de Muaná. Outras vítimas dos acusados que os reconhecerem podem entrar em contato com a Delegacia de Muaná pelo fone (91) 3494-1193.