Emater fortalece agricultura familiar na reserva extrativista Tapajós-Arapiuns

19/09/2019 11h25 - Atualizada em 19/09/2019 12h38
Por Rodrigo Reis (EMATER)

Equipe durante orientação a uma das 12 comunidades locais beneficiadasCerca de 300 famílias da reserva extrativista Tapajós-Arapiuns, em Santarém, oeste do Estado, integram uma série de atividades desenvolvidas pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), cujo principal objetivo é orientar, fortalecer e capacitar agricultores rurais de 12 comunidades locais. Créditos de fomento para beneficiários da reforma agrária, de quase R$ 650 mil reais, também fazem parte das ações.

As atividades fazem parte do plano de trabalho do Termo de Reciprocidade nº 024/2017 assinado entre Emater e o Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio), em 2017. O acordo está no segundo ano de execução e vai até 2021.

Curso sobre ração alternativa para peixes também foi ministradoA mudança para os agricultores têm sido significativa, explica a extensionista rural e pedagoga da Emater em Santarém, Maura Chaves. “Desde 2017, o órgão realiza treinamentos, cursos, oficinas, palestras e outras atividades que estejam relacionadas à assistência técnica e extensão rural”. A região de Arapiuns conta com uma Unidade de Observação, para expandir a cultura da piscicultura, inclusive com capacitação sobre ração alternativa para peixes.

A equipe da Emater realiza diagnóstico com famílias sobre as atividades desenvolvidas e o que mais precisam ou que tem potencial para expandir. “Fizemos alguns treinamentos sobre produção e derivados da farinha, como tucupi, farinha de tapioca e beiju. Após isso, produtores que vendiam a saca de farinha por R$ 50, agora comercializam a R$ 150. Isso aumenta a renda”, pontuou Chaves.

O projeto de atuação da Emater prevê acompanhamento “in loco” das atividades, que são realizadas pelo escritório regional de Santarém com o apoio da equipe de Assessoramento, Monitoramento e Avaliação (AMA), da regional, e também da Tapajoara, representante das 74 associações que fazem parte da reserva. As famílias atendidas são cadastradas no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

“O trabalho de Ater que a Emater desenvolve na região é fundamental para contribuir com o desenvolvimento de famílias que estão em regiões distantes, com dificuldades de acesso e comunicação. É importante estabelecer parcerias, a fim de levar aos produtores benefícios e políticas públicas que os agricultores têm direito. É papel da Emater fazer isso e estar ao lado deles”, pontuou Chaves.

Crédito Rural – As 12 comunidades que fazem parte do plano foram beneficiadas também com a liberação de quase R$ 650 mil em três modalidades: apoio inicial, fomento e fomento mulher. O crédito é oriundo do Incra e as famílias não sabiam que tinham direito, explica Maura Chaves. “Elas tinham direito a linhas de créditos da reforma agrária. Para acessar o benefício, é necessário que sejam atendidas por alguma empresa de assistência técnica, foi então que a Emater entrou em ação. Junto com ICMBio e Tapajoara, viabilizamos, junto ao Incra, o acesso ao crédito”.

Ao todo, cerca de 300 famílias foram atendidas pelas ações, que envolvem ainda crédito ruralOs valores variam. Na modalidade apoio inicial, o investimento é de R$ 5.200 para cada família (não precisa necessariamente de projeto). Já nos fomento e fomento mulher, os valores são de R$ 6.400 e R$ 5 mil, respectivamente. Os projetos produtivos vão desde criação de galinha, suínos, construção de casa de farinha até ateliê de costura, barbearia e padaria.

Atividades – Entre as atividades desenvolvidas e que contam com o apoio da Emater e ICMBio na reserva extrativista, estão cursos de beneficiamento da mandioca e seus derivados; criação de galinha caipira; ações de saúde: vacinação, consultas de enfermagem e exames parasitológicos. Há, também, elaboração de cadastro e levantamento para participação do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e visitas técnicas para análise da água dos rios no entorno da comunidade, para avaliar a criação de peixe no local. Todas fazem parte do Termo de Reciprocidade assinado em 2017.

Mudança de vida – O agricultor Dinael Cardoso, presidente da Tapajoara e morador da comunidade Braço Grande, na reserva, comenta que o trabalho da Emater tem sido fundamental, já que ajuda a identificar projetos de agricultores que são viáveis para fomento de crédito.

“A expectativa é ampliar o trabalho para o próximo ano, para que mais famílias de agricultores possam acessar créditos”. Ainda de acordo com Cardoso, “isso vai fortalecer o conhecimento técnico para a agricultura familiar nas comunidades atendidas e, consequentemente, mudar a vida das pessoas com o acesso delas as políticas públicas”, avalia.