Curso capacita 500 profissionais que atuam com doenças sanguíneas

14/09/2019 16h27 - Atualizada em 14/09/2019 17h51
Por Anna Cristina Campos (HEMOPA)

Evento é voltado para profissionais que atuam em diversas áreas de assistência à pacientes com doenças do sangue, como hemofilia, anemia falciforme, entre outras.Entre os dias 11 e 13 de setembro, a Fundação Hemopa realizou o Curso Prático de Coagulopatias Hereditárias, em Belém. O evento é voltado para profissionais que atuam em diversas áreas de assistência à pacientes com doenças do sangue, como hemofilia, anemia falciforme, entre outras.

Realizado com a parceria do Ministério da Saúde, esta é a primeira turma de multiprofissionais de Santarém e Belém. A médica pediátrica Marina Shaine trabalha no Hospital Municipal de Santarém. Para ela, que atende pacientes coagulopatas, o treinamento foi essencial.

“O nosso hospital é polo para 25 cidades da região. Todos os pacientes hematológicos são encaminhados para lá. Então, nós temos uma grande responsabilidade. Este curso nos deu conhecimento de como podemos conduzir o melhor tratamento e direcionamento para as crianças desde quando nascem”, disse a médica, que pretende disseminar o conhecimento para a equipe de trabalho no Hospital.

Profissionais acompanharam a realidade de atendimento ambulatorial do Hemocentro.Como o módulo é prático, durante os períodos de manhã e tarde, os profissionais acompanharam a realidade de atendimento ambulatorial do Hemocentro, com a possibilidade de aprimorar suas habilidades com casos reais.

Luis Felipe Pinheiro é fisioterapeuta em Santarém. Para ele, esses três dias de acompanhamento na clínica fisioterapeuta do Hemopa significaram um avanço no trabalho que ele pretende desenvolver na URES de Santarém, aonde atua.

“Nós já atendemos pacientes hemofílicos, mas aplicando a fisioterapia convencional. Agora este curso prático me apresentou uma nova metodologia de acompanhamento, um protocolo, onde o paciente passa por uma série de avaliações, que mede força, amplitude articular de movimento, entre outras capacidades físicas. Assim, nós podemos trabalhar em cima de cada necessidade, para que o paciente melhore o mais rápido possível”, ressaltou o fisioterapeuta.

O evento tem como objetivo qualificar os profissionais que atuam na assistência básica de saúde do estado para saber identificar com mais eficiência assuntos relacionados aos distúrbios da coagulação sanguínea, assim como as formas de prevenção e tratamento da doença.

“Nós estamos muito satisfeitos com o resultado deste primeiro módulo prático. Toda a equipe está integrada em fazer melhor. Desta forma, tenho certeza que estamos conseguindo alcançar o objetivo, que é de descentralizar o tratamento de coagulopatias multidisciplinar n o Pará”, destacou a coordenadora do curso, Saide Trindade.

Realizado com a parceria do Ministério da Saúde, esta é a primeira turma de multiprofissionais de Santarém e Belém.

Parceria – Diante da necessidade de capacitar profissionais da rede básica de saúde no atendimento à pacientes com algum tipo de coagulopatia, ou seja, doença do sangue, a Fundação Hemopa fez parceria com o Ministério da Saúde, que viabilizou recursos para a realização dos cursos teóricos e práticos para a Hemorrede.

Em 2018, a Fundação Hemopa começou a disseminar o Curso de Coagulopatias Hereditárias nos Hemocentros Regionais do Pará. A parte teórica foi desenvolvida com os municípios de Belém e Castanhal no ano passado. Em 2019, Santarém e Marabá receberam a qualificação.

No total, participaram da capacitação mais de 500 profissionais das áreas médica, biomédica, farmacêutica, bioquímica, odontológica, fisioterapêutica, fisiátrica e de enfermaria; além de assistência social, psicológica e pedagoga, que garantem atendimento seguro, de qualidade e humanizado aos usuários.

Nos dias 18, 19 e 20 de setembro será a vez dos profissionais de Marabá e Castanhal participarem do curso prático, que será realizado também no Hemopa de Belém.