Feira agroecológica da Emater valoriza tradição e cultura amazônicas

07/06/2019 13h04 - Atualizada em 07/06/2019 19h09
Por Aline Miranda (EMATER)

Nesta sexta-feira (7), no escritório central da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), em Marituba, 15 famílias da zona rural da região metropolitana de Belém divulgaram e comercializaram produtos agroecológicos na 4ª edição da Vitrine Artesanal, feira mensal com instalação itinerante promovida pelo escritório regional das Ilhas.

Agricultores tradicionais e quilombolas dos municípios de Ananindeua, Marituba e Santa Bárbara, atendidos pelos escritórios locais da Emater, levaram diretamente ao consumidor, plantas ornamentais, frutas regionais in natura, polpas de frutas, biojóias, derivados de mandioca e artesanatos diversos, entre outros exemplos da tradição e cultura amazônicas para a população, com preços até 50% mais baratos se comparados aos dos mercados convencionais.

Os amigos quilombolas Antônio da Silva, 68, e Maria de Lourdes Seabra, 65, da Comunidade do Abacatal, em Ananindeua, ofereciam uma iguaria: o beiju doce, enrolado em folha de bananeira. "É uma receita ancestral, passada de pai para filho, que representa o legado e o cotidiano da comunidade. Quando a sociedade conhece e experimenta um alimento desses, ela experimenta não só um novo sabor, mas também a história de um povo", emociona-se Maria de Lourdes.

Já o casal Eliane Lima, 38, e Sebastião Sena, 37, de Santa Bárbara, trabalham vendendo mel produzido em Bragança pela família, e sobremesas como bolo de macaxeira, bolo de goiaba e mingau de milho: "Nossos fornecedores das frutas, do milho e da mandioca são de assentamentos, como o Abril Vermelho, e de comunidades vizinhas", explica Sebastião.

"Antes eu via o beneficiamento dos produtos da agricultura como um 'bico', me identificava como 'desempregada', com o apoio de extensão rural da Emater comecei a me identificar como empreendedora rural. Por isso estas feiras são oportunidades importantes: não são só canais de comercialização – são meios de valorização da nossa função social", diz Eliane.

A próxima edição da Vitrine Artesanal será 29 de junho, no Parque do Utinga, no Curió-Utinga, em Belém, também de 9h às 12h, com acesso livre e gratuito.