Notas


Palacete Faciola será totalmente restaurado em 2020

11/10/2019 15h19
Por Úrsula Pereira (SECULT)

Um dos maiores acervos da "Belle Epoque", resultado de um período de mudanças sociais e urbanas, marcado pela modernização no chamado Período da Borracha, vai continuar na memória e na paisagem de Belém. Construído em 1901 por Antônio de Almeida Faciola, o Palacete Faciola será finalmente restaurado e devolvido à cidade como símbolo do interesse do Governo do Estado em preservar seu patrimônio histórico, material e imaterial.

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), já iniciou os trabalhos de conservação preventiva, enquanto a obra de restauro completa não é realizada, já que está prevista no plano de ação da Secretaria para 2020.

O estudo de desapropriação do Palacete Faciola e suas duas casas adjacentes, iniciou no ano de 2008 para servir como sede do antigo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Pará (IDESP), mas sua desapropriação só se concretizou em 2016, quando passou a integrar o patrimônio do Governo do Estado, como mais um equipamento da Secult.

Em setembro de 2009 foram realizadas obras de reforço estrutural e em 2016, quando o palacete passou novamente por uma intervenção, houve a revisão da cobertura do Faciola e a construção de novos sistemas de cobertura para as casas 2 e 3.

Para o ano de 2019 está prevista a instalação do sistema de drenagem da área externa das 3 casas, além do levantamento e catalogação dos azulejos da fachada, que são intervenções preventivas contra o inverno amazônico e que originaram os andaimes e tapumes instalados no local.

A atual gestão já detém os projetos arquitetônicos, complementares e de restauro, para dar início a um novo processo licitatório - previsto para acontecer ainda em 2019 - destinado ao restauro do Palacete Faciola. A previsão é que as obras comecem no início de 2020.

Depois de restaurada, a casa 01 - Palacete Faciola, localizada na Av. Nazaré, nº 166 - será a sede do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (DPHAC); a casa 02 - geminada ao palacete - abrigará um auditório e a reserva técnica do Museu da Imagem e do Som (MIS), que será realocado para a casa 3, de nº 148.