Primeiro trimestre de 2021 registra menor índice de mortes no trânsito desde 2019

04/05/2021 17h42 - Atualizada em 04/05/2021 17h54

Pela terceira vez consecutiva, o Pará inicia o ano com a menor taxa de mortes registradas no trânsito. Os números referem-se aos três primeiros meses de 2021, que apresentam maior queda de vítimas fatais dos últimos três anos. Se comparado a 2020, foram 30 óbitos a menos nas rodovias estaduais. Os dados são da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Segup) e estão disponíveis no Portal da Transparência.

De acordo com o levantamento, em 2019, o período de janeiro a março registrou 118 mortes no trânsito. Já em 2020, o índice caiu para 112 no mesmo período, enquanto que em 2021 foram registrados 82 óbitos.

Os dados mostram, ainda, que Belém é o município paraense com o maior número de mortes, seis no total, seguida de Redenção, com cinco óbitos. A capital também apresenta números crescentes de mortes ao longos dos três meses, assim como Altamira e Marabá. Por outro lado, a maioria das regiões do Estado registraram queda e, dos 144 municípios, 95 não registraram nenhuma morte no primeiro trimestre deste ano. É o melhor resultado alcançado desde 2019 para um período que concentra feriados prolongados e, por consequência, com grande movimentação viária, a exemplo das festas de fim de ano, carnaval e Semana Santa.

O Departamento de Trânsito do Estado (Detran) comemora os resultados, em especial neste mês em que se celebra em todo o País o movimento "Maio Amarelo", dedicado a mobilizar toda a sociedade para o tema da segurança viária. “As campanhas educativas de conscientização da sociedade sobre a importância do envolvimento de todos na proteção da vida nas estradas, assim como o incremento da sinalização viária, contribuem, sobremaneira, para o alcance desses resultados. Essas são apenas algumas das muitas frentes de ações que estamos viabilizando, inclusive com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), para alcançarmos a meta de zerar as mortes de trânsito nos próximos anos”, comenta o diretor-geral do Detran, Marcelo Guedes.

Por Leidemar Oliveira (DETRAN)