Pautas


IDEFLOR-Bio realizará a soltura de cinco casais de ararajubas no Parque do Utinga

Por Aldirene Gama (IDEFLOR-BIO)
Abertura: 25/01/2022 08h30
Encerramento: 25/01/2022 10h00
Local: Parque Estadual do Utinga "Camillo Vianna"
Endereço: Avenida João Paulo II, s/n°, bairro do Curió-Utinga.
Contatos: (91) 98134-8500 e(91) 98175-6383

Na próxima terça-feira (25), às 8h30, o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (IDEFLOR-Bio) realizará a soltura de cinco casais de ararajubas, no Parque Estadual  do Utinga (Peut) "Camillo Vianna". A ação corresponde à primeira soltura da II etapa do Projeto "Reintrodução e Monitoramento da Ararajuba (Guaruba guarouba) em uma área protegida na Região Metropolitana de Belém (RMB).

O projeto é executado em parceria com a Fundação Lymington sediada em Juquitiba/São Paulo, e visa a conservação e proteção dessa espécie endêmica do bioma amazônico, ameaçada de extinção, segundo a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, da União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN), do Ministério de Meio Ambiente e a Resolução Coema n° 54.

As dez aves nasceram no criadouro da Fundação Lymington e após serem aprovadas nos exames físicos, sanitários e comportamentais, foram encaminhadas ao viveiro do Peut, em junho do ano passado, para a segunda etapa do projeto. Desde então, as ararajubas vêm passando por um processo de adaptação ao habitat amazônico, treinamento de voo, defesa de predadores, exercícios para ganho de musculatura e alimentação com frutos, sementes e flores nativas.

Na segunda etapa do projeto, cinco aves receberão um rádio colar de monitoramento, que permitirá mapear o deslocamento dos espécimes, além de auxiliar no mapeamento da população.

O Projeto de Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas nas Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém teve início em 2017, com a chegada das primeiras ararajubas ao Parque Utinga no mês de agosto. A primeira soltura das espécies foi realizada em janeiro de 2018. Um total de 27 ararajubas já foram reintroduzidas na natureza desde o início do projeto.