Secretarias e Fapespa se unem para lançar editais focados nas prioridades do Estado

14/05/2015 12h37
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Um encontro na manhã desta quinta-feira, 14, reuniu técnicos e gestores das Secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), Desenvolvimento Agropecuário e Pesca (Sedap), Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Planejamento (Seplan) e Fundação Paraense e Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) para discutir meios de fomentar o conhecimento científico-tecnológico no estado do Pará, de modo a otimizar a aplicação de recursos e gerar resultados em escala.

O tema central do encontro, sediado na Sectet, foi o lançamento de editais de amparo e fomento à pesquisa. Foi consenso entre os gestores presentes que os editais lançados com esse fim devem ser focados no atendimento às demandas diferenciadas dos municípios do interior do estado. "Precisamos unir nossos recursos e esforços para decidir, da melhor maneira, onde e em que investir os recursos governamentais destinados ao desenvolvimento científico-tecnológico. O alinhamento de nossos interesses permitirá que o conhecimento se reverta em ganhos socioeconômicos e ambientais nas diversas microrregiões do estado”, destacou o titular da Sectet, Alex Fiúza de Mello.

“Nossa intenção é gerarmos uma grande ação de governo, por isso estamos convidando as diversas secretarias para participarem do lançamento e elaboração dos editais. Os recursos não podem ser distribuídos de forma aleatória, é preciso pensar que os municípios do interior têm prioridades diferenciadas e, por isso, nossa proposta é regionalizar os editais e definir os focos coletivamente”, destacou o presidente da  Fapespa, Eduardo Costa.

Para o titular da Sedap, Hildegardo Nunes, essa descentralização é muito essencial para viabilizar a solução dos vários gargalos presentes na cadeias produtivas do estado. Segundo ele, os produtores têm problemas muito específicos, que demandam o desenvolvimento de tecnologias diferenciadas, simples e de baixo custo para sua resolução. “Um bom exemplo é a necessidade de desenvolver um repelente barato e adequado para os catadores de caranguejo do nordeste paraense, que atualmente usam óleo diesel para se protegerem. Ou o caso dos produtores de açaí, que precisam ser contemplados com um sistema de irrigação de baixo custo para poder aumentar sua produtividade de forma sustentável”.

Para consolidar a parceria e coordenar a política de investimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), foi aprovada a criação de um Comitê Gestor permanente envolvendo os titulares das secretarias e da Fapespa, com reuniões mensais. Além disso, será criado um Grupo de Trabalho com técnicos desses órgãos para elaborar os editais com base nas demandas levantadas. A primeiras ações serão voltadas aos dois editais que serão lançados em junho, destinados a contemplar  as regiões do Baixo Amazonas e as do Tapajós/Xingu.