Venda de produtos agrícolas movimenta Cesta Feira do Turismo

29/06/2018 00h00
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Ao ritmo de música junina e comidas típicas, na manhã desta sexta-feira (29), ocorreu a sexta edição da Cesta Feira do Turismo, evento organizado pela Diretoria de Políticas para o Turismo (Dpot) e Gerência de Estruturação de Destinos Turísticos (GEDT) da Secretaria de Estado de Turismo (Setur).

Quem foi até a sede da Secretaria, no bairro de Batista Campos, em Belém, encontrou produtos agrícolas de qualidade oriundos diretamente dos agricultores. A comercialização contribui para o fortalecimento dos negócios na cadeia produtiva e o desenvolvimento das rotas turísticas do Estado.

Carlos Maciel, de 61 anos, é guia turístico e pratica atividade física na Praça Batista Campos. “Assim que soube da feira, saí para me exercitar um pouco mais cedo, para dar tempo de passar no evento antes de voltar pra casa, e já garanti alguns produtos como cheiro-verde, feijão-verde, e o mel que agora sei onde encontrar”, conta.

A feira reuniu uma variedade de produtos entre frutas, legumes e verduras, queijos, mel, pescados e mariscos, artesanatos, calçado feminino, iogurtes, chocolates com leite de búfala, vendas de cosméticos naturais, poupas de frutas (bacuri, cupuaçu, maracujá, goiaba), licor de tucupi e da cachaça de jambu, entre outros.

O jovem Mateus Mendes, de 23 anos, do município de Santa Barbara do Pará, que veio acompanhado da avó, trouxe especiarias feitas com o cacau, produtos naturais como biscoito de chocolate com semente de chia, óleo de coco puro e o chocolate com leite de búfala. O jovem trabalha na empresa Chocolate D’Mendes reconhecida já em alguns lugares como Rio de Janeiro, São Paulo e algumas capitais do Sul do Brasil. “A feira é super importante para as pessoas da cidade terem contato com os povos tradicionais, preservar a natureza de forma direta ou indiretamente, com os produtos regionais que são 100% paraense; é importante essa empatia conosco (ribeirinhos, quilombolas)”, explica.

A produtora da comunidade tradicional quilombola Boa Vista do Itá, localizada no município de Santa Izabel do Pará, Raimunda Cleia, 46 anos, conta que seus produtos são totalmente orgânicos, plantados e cultivados pela comunidade. “Uma feira como essa nos dá a oportunidade de mostrar o nosso trabalho. Por isso, temos um bom lucro, pois se colocarmos a mercadoria para atravessar pra cá o nosso lucro é bem menor. Já estando aqui, conseguimos vender com o preço bem acessível ao cliente e garantir também o nosso”, afirma.

* Com a colaboração de Carolina Barbosa