Papiloscopistas participaram de qualificação para aprimorar técnicas de identificação, em Belém

26/05/2022 19h29 - Atualizada em 27/05/2022 05h23

Encerrou na tarde desta quinta-feira, 26, mais uma capacitação para o aperfeiçoamento de policiais civis papiloscopistas – aqueles que atuam diariamente na identificação de pessoas, vão ao local de crime e auxiliaram nas investigações criminais – da Diretoria de Identificação Enéas Martins (DIDEM). O intenso treinamento com atualizações de técnicas de revelação papilar, métodos de confronto e novas legislações sobre de cadeia de custódia, iniciou na terça-feira, 24, com realização na sede da Delegacia-Geral, em Belém.

A capacitação reuniu cerca de 15 profissionais de perícia papiloscópica, que atualizam seus conhecimentos sobre novas técnicas e metodologias de investigação criminal. “Nossas equipes são responsáveis pela coleta de vestígios papiloscópicos em locais de crimes e a constataste atualização é necessário para melhor servir a população paraense”, contou o papiloscopista Carlos Rocha.

O delegado-geral da Polícia Civil, Walter Resende, disse que o treinamento é uma necessidade constante na atividade de polícia judiciária. “Estamos constantemente investindo em capacitações e treinamento dentro da Polícia Judiciária Civil e temos somado esforços internamente para que nossos policiais e servidores possam ser aprimorados tecnicamente e com isso realizar as investigações de forma mais eficiente”, afirmou.

Durante a programação pedagógica foram ministrados aulas teóricas e práticas sobre as leis de perícias, novas técnicas de revelação, métodos de confronto pericial e cadeia de custódia.

DIDEM - A Diretoria de Identificação "Enéas Martins" da Polícia Civil do Pará, atua no processo de impressões digitais e, dessa forma, revela e identifica pessoas. Os papiloscopistas da Didem são responsáveis pelos cadastros de Registros Civis (RG), a conhecida Carteira de Identidade, e também auxiliam nos trabalhos investigativos.

Ao todo, 147 papiloscopistas da Didem se revezam no trabalho de identificação, tudo feito por meio do uso do método técnico-científico da papiloscopia que consiste na identificação por meio da análise de impressões papilares, nos desenhos encontrados nas papilas dérmicas palmares e plantares.

Além da identificação civil, os papiloscopistas da Didem são responsáveis pela identificação Criminal Necropapiloscópica (cadavérica), que faz o levantamento de vestígios produzidos pelas papilas dérmicas e informações técnicas e Laudo Prosopográfico (comparação facial e antropométrica).

Texto: Talison Lima / Ascom PCPA

Por Governo do Pará (SECOM)