Estado certifica mais 160 alunos do "Qualifica Pará", em Augusto Corrêa

Além da capacitação, o programa ainda prevê um microcrédito que contribuirá na compra de equipamentos e na estruturação do primeiro negócio

12/05/2022 18h30 - Atualizada em 12/05/2022 19h22

Qualificação, inserção e reinserção no mundo do trabalho são os principais objetivos do Programa "Qualifica Pará", iniciativa que nesta quinta-feira (12) certificou mais 160 alunos do município de Augusto Corrêa, no nordeste paraense. O ato contemplou turmas de confeitaria básica, manutenção de celular, manipulação, beneficiamento e conservação do pescado, habilidade em salão de beleza, mecânica de motor a diesel, panificação e confeitaria e conservação de frutas (açaí). 

O "Qualifica Pará" é um dos maiores investimentos em qualificação profissional já feitos pelo Estado, em especial à população paraense de baixa escolaridade ou situação de vulnerabilidade social.

“Parabenizo aqui o lá alunos do 'Qualifica Pará', que a partir de agora poderão realizar os mais diversos cursos, seja para uma padaria, um conserto de celular, um conserto de uma moto, pequenas atividades que através do conhecimento de vocês, do talento, vão mostrar que vocês são capazes de vencer na vida, de sustentar as suas famílias”, destacou o governador Helder Barbalho. 

São aproximadamente 60 milhões para a execução da primeira etapa do programa, com 1.452 turmas, nos 144 municípios paraenses. A coordenação  está sob a responsabilidade da Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster). Mais uma etapa do programa já foi aprovada, que contribuirá para a qualificação de 60 mil pessoas. Além da capacitação, o programa ainda prevê um microcrédito que contribuirá na compra de equipamentos e na estruturação do primeiro negócio. O valor do crédito gira entre R$500 a R$5.000, e será gerenciado pelo Banco do Estado do Pará (Banpará).

Maria dos Reis tem 40 anos e foi aluna do curso de confeitaria. Ela conta que a vida mudou a partir da oportunidade de qualificação. “A minha vida já mudou. A partir do curso eu mudei minha condição de vida, minha renda. A minha autoestima mudou, foi lá pra cima. Hoje eu sou independente. Então pra minha vida acarretou muita coisa. Eu ano aprendi pra deixar engavetado, aprendi pra colocar em prática”, pontuou. 

Mais informações sobre o programa no site da Seaster www.seaster.pa.gov.br

Por Camila Santos (SEASTER)