Em São Félix do Xingu, Emater difunde técnica para evitar doenças na cultura do cacau

Em evento realizado no sítio de produtor local, agricultores puderam conhecer de perto a enxertia nos pés de cacau e trocar informações sobre o cultivo

09/05/2022 10h31 - Atualizada em 09/05/2022 11h29

Com o objetivo de promover a troca de conhecimento e de experiências em práticas de sucesso na lavoura cacaueira, o escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA) em São Félix do Xingu, no sul paraense, promoveu intercâmbio com palestra e demonstração técnica na enxertia do cacau, na última semana, com a participação de 11 cacauicultores.

A ideia para a ação surgiu a partir do interesse comum entre os produtores na temática da enxertia do cacau, promovendo maior resistência a pragas, precocidade na produção, entre outras vantagens.

O evento foi realizado no sítio do produtor Pedro Aguiar, localizado na região do Xadá, que mostrou suas experiências de cinco anos de prática de enxertia no cacau, com direito à visita em pés de cacau reenxertados (renovação de copa) já produzindo e incluídos na colheita deste ano.

"Esse evento é o início da fase das capacitações da Emater dentro do Programa Territórios Sustentáveis, do governo estadual, trabalhando com a temática da sustentabilidade", explicou a médica veterinária da Emater, Janaina Teles Maia.

Na parte prática, executada pela engenheira florestal da Emater, Josie Helen Oliveira Ferreira, foram demonstradas as técnicas de garfagem no topo em fenda cheia, borbulhia e ramo lateral, com 200 mudas de cacau que foram doadas pela Secretaria Municipal de Agricultura.

Jiorge Carmo dos Santos, da comunidade Santa Rosa, elogiou a iniciativa. "Foi uma ótima experiência, um momento de aprendizado, e com esse conhecimento repassado aqui, podemos utilizar para melhorar a produtividade da nossa nossa cultura", ressaltou o cacauicultor.

Texto: Paula Portilho/Ascom Emater

Por Governo do Pará (SECOM)