'Cidadania por Todo o Pará' garante serviços públicos a moradores de Belém e Ananindeua

Atendimentos incluem expedição de documentos, cuidados de saúde e assistência a mulheres em situação de violência doméstica e familiar

08/05/2022 11h11 - Atualizada em 08/05/2022 16h05

Programa Cidadania por Todo o Pará expede documentos e faz atendimentos de Saúde na escola Barão de Igarapé-Miri, no GuamáO programa “Cidadania por todo o Pará” já fez mais de 170 mil atendimentos por meio da ação itinerante no Estado e atendeu, na manhã deste sábado (07), moradores de Belém e Ananindeua com serviços de saúde, cidadania e lazer. 

No Guamá, na Escola Barão de Igarapé Miri, foram ofertadas 300 senhas para a emissão do documento de identidade, sempre o mais procurado durante a execução do programa. José Edilson, 54 anos, mantém a casa com o trabalho de pintor e eletricista e estava com a identidade vencida há 20 anos, o que o impedia de ter acesso a muitos serviços. 

“Há muito tempo eu tento abrir uma conta no banco e eles não aceitam meu RG. E eu não parei pra me informar pela falta de tempo mesmo, pq sempre estou trabalhando pra ter dinheiro, mas, hoje, como é perto de casa, consegui a senha e finalmente vou ter meu documento”, comemorou José. 

Os projetos da Fundação ParáPaz seguem realizando muitos atendimentos, inclusive de emissão de documentos, como a 2ª via do CPF, 2ª via do cartão SUS, ID Jovem, Carteira de Trabalho Digital.

Roda de conversa garante às mulheres em situação de vulnerabilidade familiar a oportunidade de compartilhar histórias a garantir ajudaNa Escola Jornalista Romulo Maiorana, em Ananindeua, a dona de casa A. M., 46 anos,  compartilhou sua história com outras participantes do “Entre Elas”, responsável por rodas de conversas com mulheres em situação de vulnerabilidade social e abordagens sobre a garantia de direitos e violência doméstica e familiar. Foi no programa também que ela garantiu a ajuda de que tanto precisava. 

“Sou mãe de gêmeos e meu ex-marido me batia muito, principalmente quando chegava bêbado. Passei por momentos muito difíceis, cheguei a ficar deformada. Ele só parou quando denunciei e a Lei Maria da Penha tá me protegendo. É bom falar sobre isso para incentivar outras mulheres a saírem dessa situação e o projeto veio pra somar e ajudar muita gente”, relatou. 

O “Cidadania por todo o Pará”, executado pela Fundação ParáPaz, contou com a parceria da Polícia Civil e da Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), com o encaminhamento para a 2ª via da certidão de nascimento e óbito, além do cadastro para o programa “Qualifica Pará” e “ 1º Ofício”. 

Por Nathalia Mota (PARAPAZ)