Final de semana de solidariedade em hemocentros beneficia mais de 1.200 pacientes

Captação ocorreu na sede da Fundação Hemopa, em Belém, na Unidade de Coleta de sangue Castanheira; no Hemocentro Regional de Santarém; e no Hemonúcleo de Altamira

21/03/2022 11h57 - Atualizada em 21/03/2022 12h08

Fim de semana também é tempo de doar sangue. A frase representa o clima de solidariedade nos serviços de coleta de sangue em Belém, na sede da Fundação Hemopa e na Unidade de Coleta de sangue Castanheira; no Hemocentro Regional de Santarém; e no Hemonúcleo de Altamira, que contabilizaram 304 doações de sangue que deverão beneficiar 1.216 pacientes internados na rede hospitalar.

Na sede do Hemopa, no bairro de Batista Campos, em Belém, houve registro de campanha interna de voluntários da Igreja Adventista do 7° Dia, por meio do projeto “Vida por Vidas”, que alegraram o dia também com música de louvores ao vivo, no pátio do prédio.

Entre os voluntários estava o representante comercial, Mário Júnior, 39 anos, que veio acompanhado da esposa e duas filhas menores. “Doar sangue faz bem. É um ato de amor ao próximo. Ao fazer esse gesto, além de dar esperança de vida e de saúde para quem precisa, em uma única doação você pode salvar até quatro vidas. Fiz questão de levar minhas filhas para verem como funciona a doação. Demonstrar pra elas que esse ato é um ato de amor verdadeiro ao próximo e que faz bem inclusive para o doador”, disse o voluntário ao informar o interesse das duas meninas em doar sangue quando tiverem idade para tanto.

Já o Hemocentro Regional de Santarém inicia a semana com reforço de 113 bolsas de sangue em seu estoque técnico, graças ao resultado significativo de campanhas internas com instituições parceiras, no último sábado (19). As doações irão fazer a diferença no cotidiano de mais de 450 pacientes internados na rede hospitalar do oeste paraense. 

A ação estratégica contou cm a participação de 166 voluntários encaminhados pela Igreja Adventista, por meio do projeto "Vidas por Vidas"; Pax Jardins e Instituto de Defesa Civil/ Corpo de Emergência  e Operações Táticas Nacionais. 

Entre os participantes estava Jane Escossio, uma das coordenadoras do projeto "Vida por Vidas", que destacou parceria entre as duas instituições, desde 2006. Impossibilitada de doar sangue, por motivo de saúde, ela é um grande incentivadora do ato voluntários na igreja e em seu circulo de amizades.

“Os jovens da Igreja são empenhados e comprometidos com a causa da doação de sangue. Isso é muito gratificante porque nosso alvo é salvar vidas. Deus tem nos abençoado com essa parceria e apoiadores da campanha. Sozinho somos pétalas e, juntos, somos rosa, ressaltou ao destacar o orgulho do filho ser um doador de sangue, Airton Matheus.

Da mesma forma, a resgatista e coordenadora estadual de Defesa Civil do Pará, Angélica Sousa, agradeceu a solidariedade de seus amigos de trabalho. “Tivemos um excelente atendimento pela equipe do Hemocentro. Estão todos de parabéns. São muito atenciosos e bastante preocupados com o bem-estar dos doadores. Nossas equipes de resgate Idec-Ceotan e Companhia da Selva sentem-se realizadas e satisfeitos com a grande dedicação de todos”.

A equipe do serviço de coleta de sangue do Hemopa Altamira também contou com a solidariedade da campanha com Igreja Adventista local que resultou em 55 voluntários e 33 coletas de sangue.

Militares

Na manhã desta segunda-feira (21), a sede do Hemopa recebeu campanha interna da Base de Administração e Apoio do Comando Militar do Norte, do Exército. Foram 60 militares efetivos variáveis de 2022, que estão cumprindo o serviço, encaminhados para doação de sangue.

Segundo o I tenente Rasques, 25 anos, a atividade tem a finalidade de promover o abastecimento do estoque de sangue na região de Belém. Rasques, com tipo sanguíneo O Negativo, doa sangue, regularmente, há três anos “Gratidão. Doe sangue. Salve vidas”. Ele informou que a ação estratégica foi organizada pelo comandante da Base, coronel Silva Mello. 

A campanha foi formada por militares efetivos variáveis de 2022, que estão cumprindo o serviço militar e voluntários de sangue. 

Por Vera Rojas (HEMOPA)