Blitz das Emoções estimula debate sobre saúde mental no Hospital Abelardo Santos

Orientações, dinâmicas, jogos de mitos e verdades, bingo do autocuidado e hobbies terapêuticos integram a programação do "Janeiro Branco"

20/01/2022 19h08 - Atualizada em 21/01/2022 02h33

A fim de alertar a população para a importância da proteção, do fortalecimento e da promoção da saúde mental, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), no distrito de Icoaraci, em Belém, preparou neste mês uma vasta programação, voltada aos pacientes, acompanhantes e funcionários. Entre as ações está a Blitz das Emoções, que leva profissionais da assistência social e psicologia da humanização a percorrerem todos os andares da unidade, estimulando o debate em torno da prevenção ao adoecimento mental e o autocuidado entre as pessoas, por meio de orientações, dinâmicas, jogos de mitos e verdades, bingo do autocuidado e hobbies terapêuticos, enfatizando técnicas de relaxamento.

A iniciativa é uma adesão à campanha brasileira Janeiro Branco, que teve sua primeira edição em 2014, quando psicólogos de Uberlândia, município de Minas Gerais, foram às ruas, às instituições e à mídia, quebrando tabus e falando às pessoas sobre “Saúde Mental”, “Saúde emocional”, “Sentido de vida”, “Qualidade emocional de vida” e “Harmonia nas relações humanas”.Hospital Abelardo Santos adere à campanha nacional Janeiro Branco

Aceitação - A esteticista Andreia Gomes, 36 anos, que inicia tratamento com o clínico geral na unidade, participou das dinâmicas. Sem nunca ter presenciado esse tipo de ação em um hospital, ela considerou as orientações das psicólogas relevantes para seu amadurecimento emocional. “O HRAS está fazendo um belo trabalho; sem igual. É sempre bom lembrar que todos nós podemos ajudar alguém que precisa de apoio nessa área, apenas acolhendo e ouvindo. Todas essas dicas vou levar para o resto da vida”, disse Andreia.

A dona de casa Albelia Lima, 45 anos, paciente da Clínica Vascular, define a iniciativa como “esclarecedora”. “As pessoas têm medo de encarar seus medos. Mas, como a psicóloga falou, todo mundo tem suas fraquezas, tem suas angústias. E saber administrar tudo isso depende do esclarecimento sobre o assunto. Achei excelente a iniciativa, muito esclarecedora”, avaliou.

Saúde mental - Para a psicóloga clínica e hospitalar do HRAS, Aline Pereira, esse tipo de ação deve ir além do mês de janeiro, para reforçar o cuidado com a saúde mental, principalmente neste período de pandemia, em que sentimentos frequentes de tristeza, depressão, ansiedade e nervosismo passaram a ser frequentes.

“Nosso objetivo é alertar para os sinais de sofrimento mental, desmistificar que a busca por ajuda psicológica é sinal de fraqueza e incentivar as pessoas a terem uma rotina de autocuidado, para desfrutarem de uma qualidade de vida emocional e física”, explicou.

O diretor executivo do Hospital Abelardo Santos, Marcos Silveira, disse que a maior unidade de saúde pública do Pará sempre abre espaço para ações de promoção à saúde, e no Janeiro Branco não seria diferente. “Mesmo o HRAS não sendo referência nesse tipo de atendimento, os pacientes hospitalizados aqui na unidade, que apresentam fragilidade ou sofrimento emocional, dispõem de atendimento e acompanhamento psicológico. Cuidar do corpo e da mente é essencial para que o tratamento seja satisfatório, e a recuperação mais rápida”, enfatizou o gestor.

Acolhimento - O HRAS é uma unidade do Governo do Pará, administrada pelo Instituto Mais Saúde, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade dispõe de serviço de psicologia hospitalar diariamente, para oferecer escuta, suporte emocional e acolhimento aos pacientes, acompanhantes e, em alguns casos, aos familiares.

Quatro psicólogas fazem o acompanhamento por meio de solicitação de consulta ou busca ativa, sendo possível oferecer a escuta, a psicoterapia breve, as orientações psicoeducacionais relacionadas à rotina do tratamento, e exames e encaminhamentos para os serviços de referência a atendimentos psicológicos do Estado, quando necessário.

“Esse apoio psicológico busca auxiliar os pacientes em seu processo de adoecimento e minimizar o sofrimento provocado pela hospitalização, e oferecer apoio também aos envolvidos no cuidado, buscando favorecer a compreensão e o entendimento acerca do momento atual”, destacou a psicóloga Larissa Fima.

Escuta Colaborador - Os profissionais da unidade que apresentam problemas mentais e emocionais possuem suporte no âmbito do Projeto “Escuta do Colaborador”. “O projeto foi pensado para proporcionar aos colaboradores um ambiente seguro e confortável de acolhimento e/ou orientação diante de dificuldades e demais questões emocionais”, explicou Radharani Andrade, psicóloga do Setor de Recursos Humanos do HRAS.

Para a técnica de enfermagem Kelma Costa, a ação com este tema abre espaço para debates e esclarecimento de dúvidas. “Gostei muito, principalmente porque nós, que somos profissionais da saúde, passamos por essas ondas da Covid-19, vimos o sofrimento de perto e sentimos a dor dos pacientes e acompanhantes. Isso mexeu muito com o nosso emocional”, afirmou.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a pandemia interrompeu serviços essenciais de Saúde Mental em 93% dos países, no momento em que se intensificou a procura por esses serviços. No Brasil, são mais de 18 milhões de pessoas afetadas pela ansiedade.

Texto: Roberta Paraense – Ascom/HRAS

Por Governo do Pará (SECOM)