Triagem da Defesa Civil em abrigos de Marabá reacende a esperança da população

18/01/2022 16h00 - Atualizada em 18/01/2022 20h50

A chegada dos técnicos da Defesa Civil Estadual nos abrigos para os desabrigados em Marabá, sudeste paraense, enchem de esperança as famílias atingidas pelas enchentes do Rio Tocantins. Os trabalhos começam com a triagem realizadas nos abrigos, e posteriormente, o cadastro das famílias para receberem o auxílio do Programa "Recomeçar", oferecido em caráter emergencial pelo Governo do Pará. As famílias em situação de vulnerabilidade social começaram a receber o valor de um salário mínimo vigente em 2022 (R$ 1.212,00) na tarde desta segunda-feira (17).

No abrigo da Folha 31, em Marabá, onde 33 famílias estão desabrigadas, o autônomo José Alexandre Lameira, de 32 anos, recebeu com felicidade o comunicado dos técnicos de que ele pode receber o benefício concedido pelo governo. "A minha casa ficou alagada, queimou a geladeira, perdi o colchão, queimou tudo, a casa está debaixo d'água. Essa ajuda vai ser boa para comprar roupa, para ajudar minha família, então quero agradecer o governador por dar essa força para nós, vai nos ajudar bastante", conta ele, que morava na Folha 33, e foi cadastrado nesta terça-feira (18) para receber o auxílio.

A dona de casa Maria de Fátima da Silva, de 54 anos, também ficou emocionada quando foi encaminhada hoje para realizar o cadastro no gabinete de crise, montado no Centro Regional de Governo do Sudeste. "A minha casa dá para ver só o telhado porque a água já tomou conta. Molhou tudo, perdi geladeira, colchão, armário, tudo que tenho está no abrigo que me levaram. Moro eu, meu esposo e meu neto. Essa ajuda veio em bora hora, apesar da gente ter passado dificuldade, não estamos passando dificuldade e estamos longe dos alagamentos. Agradecemos muito a ajuda do Governador e que Deus o abençoe", disse ela. 

Na hora do cadastro, os técnicos da Defesa Civil conversam com os moradores para entender quais prejuízos e conferir a documentação necessária para recebimento do benefício. Os atendimentos seguem desde o último domingo (16), no horário de 8h às 17h. Nesta segunda-feira (17), foram cadastradas as famílias dos abrigos 5 de Abril, Amapá e Kolping. 

"Neste primeiro momento, estamos passando nos abrigos para fazer a triagem, depois os deslocamos para fazer o cadastro no Centro Integrado, e tão logo terminado, voltamos até os abrigos para deixá-los. Começamos esse trabalho no domingo e ontem já levamos as primeiras famílias dos abrigos São Félix e Jalobá, que já receberam os benefícios", completa o major Jânio Costa, chefe de operações da Defesa Civil do Estado. Posteriormente, o mesmo trabalho será realizado com os desalojados.  

Auxílio financeiro - O Programa “Recomeçar” concede em situações emergenciais auxílio financeiro em parcela única a famílias em situação de vulnerabilidade social. De acordo com o decreto do governo do Estado, o programa vai atender vítimas de calamidade pública ocorrida no primeiro semestre de 2022, e em situação de emergência ocasionada pelas fortes chuvas, deslizamentos, inundações, enxurradas e alagamentos. O objetivo do governo é oferecer às famílias um valor que possa ser utilizado na reconstrução dos imóveis danificados pelas águas.

Para ter acesso ao benefício, a família deve ter renda mensal de até três salários mínimos e residir em imóvel atingido diretamente pelas fortes chuvas, de forma grave. As enchentes já atingiram 2.524 famílias – 640 desabrigadas, 1.384 desalojadas, 411 ilhadas e 401 ribeirinhos. Homens da Polícia Militar do Pará também dão apoio às ações. 

Doações e Reforços - O Governo do Pará já encaminhou três caminhões de donativos para Marabá, que chegaram no último domingo (16). São colchões, kits de higiene e limpeza, e cestas de alimentos, que serão entregues as 2.269 famílias – 527 desabrigadas, 1.061 desalojadas, 346 ilhadas e 335 ribeirinhos - atingidas pelas cheias do Rio Tocantins. Homens da Polícia Militar do Pará também dão apoio às ações. 

Na tarde desta segunda-feira (17), o Governo do Pará recebeu novas doações de donativos de empresas como a Vale e Hydro. Os carregamentos foram realizados pelos alunos do Curso de Formação da Polícia Militar, que após da apresentação do curso, foram deslocados para realizar o trabalho no Centro Integrado de Governo. Foi a primeira missão dos alunos.

Por Bruno Magno (CPH)