Trigêmeos nascem no Hospital do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá

A menina Isa e os irmãos Gael e Noah passam bem e seguem em observação na UTI Neonatal do hospital

31/12/2021 15h37 - Atualizada em 31/12/2021 18h56

Um dos trigêmeos nascidos nesta sexta-feira (31) em MarabáUma cirurgia cesárea de alto risco de trigêmeos prematuros foi realizada com sucesso na manhã desta sexta-feira (31), no Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, no sudeste do Pará. Os bebês seguem estáveis na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal, após o nascimento com a diferença de 3 minutos entre o primeiro e o terceiro. 

A menina Isa Rafani foi a primeira a nascer, às 11h56, pesando 2.060 kg. Noah veio depois, às 11h57, com 2.170 kg. Em seguida, foi a vez do Gael, que nasceu às 11h58, com 2.130 kg. Os trigêmeos não-idênticos — trivitelinos ou plurivitelinos —, nasceram prematuros com 34ª semanas de uma gestação natural. O bebê é considerado prematuro quando nasce antes da 37ª semana de gravidez. 

A mãe dos trigêmeos é Fernanda Menezes Mangabeira, de 31 anos, da cidade de São Domingos do Araguaia, distante 48 km de Marabá. Lavradora, ela já e mãe de três filhos, o Fernando, de 10 anos, Isabeli, de 7, e Agatha, de 4 anos. 

Segundo Fernanda, que está internada para observação na clínica obstétrica do hospital, a gravidez não estava programada, mas foi muito bem recebida por ela, amigos e familiares, que irão ajudar a cuidar das crianças. 

"Estou muito feliz, ser mãe é uma dádiva de Deus. No terceiro mês da gestação, fiquei sabendo que seria mãe de gêmeos. Foi um grande choque, mas recebi com alegria a noticia e coloquei tudo nas mãos do Senhor. Quando fui realizar um novo exame, já com 6 meses de gestação, fiquei sabendo que eram trigêmeos — aí eu desabei de emoção e não contive as lágrimas”, explicou. 

Ela ainda ressaltou que na hora do nascimento, quando viu seus filhos, desejou que eles tivessem muita saúde nesse mundo, principalmente em razão da pandemia de Covid-19. 

"Eu estou muito emocionada com esse momento Só quem é mãe vai entender pelo que estou passando. Quero muito que meus filhos "sejam luz", nesses tempos difíceis que o mundo passa", afirmou. 

Suleide Menezes, irmã da mãe dos trigêmeos, ficou em choque quando recebeu a notícia da gravidez que, segundo ela, foi um misto de emoção e preocupação, pelo estado de saúde da sua irmã e pela prematuridade dos bebês. 

"Primeiro ela me contou que eram gêmeos. Tinha ficado muito feliz e disse que estaria ao lado dela. Um belo dia ela apareceu na minha casa e me disse que não eram dois e, sim, três bebês. Choramos muito abraçadas", afirmou. 

Parto Humanizado 

Os trigêmeos tiverem um parto humanizado e foram recebidos com muito amor e carinho pela equipe multidisciplinar do HRSP, formada por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentre outros profissionais que acompanharam com entusiasmo o nascimento dos bebês. 

De acordo Crísila Reis, enfermeira hospitalista do hospital, o parto dos trigêmeos foi realizado com sucesso. Foram mais de 20 profissionais mobilizados da equipe multidisciplinar, que se dedicaram ao nascimento das crianças. 

"Ocorreu tudo muito bem, tivemos a preocupação de oferecer um parto humanizado à Fernanda. Preservamos o ambiente cirúrgico, evitando ruídos altos e conversas paralelas, permitindo o contato do bebê com a mãe assim que ele nascesse. Foi muito emocionante", ressaltou. 

Para a enfermeira Luana Maria, do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente, o momento foi de celebração para os colaboradores da unidade, pois são os primeiros trigêmeos nascidos no hospital. 

"Seguimos todos os protocolos preconizados pelo órgãos de saúde, para que o parto acontecesse da maneira mais adequada para a mãe e para os bebês. Ela foi encaminhada para nós no dia 14 de dezembro, pois era um parto de alto risco, mas tudo ocorreu bem", explicou. 

Referência 

O Hospital Regional do Sudeste do Pará é referência em partos de alto risco, para mais de um milhão de pessoas de 22 municípios da região. A unidade, que pertence ao Governo do Pará, sendo gerenciada pela entidade filantrópica Pró-Saúde, presta atendimento 100% gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde). 

A unidade conta com uma UTI Neonatal com infra-estrutura com nove leitos e uma equipe multiprofissional especializada no atendimento de recém-nascidos de alto risco, gemelares ou que necessitam de cuidados especiais, sendo reconhecida pelo modelo de atendimento humanizado. 

*Texto de Ederson Oliveira

Por Governo do Pará (SECOM)