Gerência da Juventude da Sejudh realiza atividades nas regiões do Xingu e Marajó

O propósito dos encontros foi reconhecer as particulares das juventudes de cada região e construir coletivamente um plano estratégico de ação e execução de políticas públicas que atendam todo o Pará

27/12/2021 09h43 - Atualizada em 27/12/2021 12h25

A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, por meio da Gerência de Promoção dos Direitos da Juventude (GPDJ), promoveu, entre os dias 15 e 23 de dezembro, nas cidades de Altamira, Vitória do Xingu e Porto de Moz, sudoeste do estado, e em Gurupá, no arquipélago do Marajó, rodas de conversas com vários segmentos da juventude local, representantes municipais e com a sociedade civil organizada. Na ocasião, o gerente da Sejudh, Flávio de Paula, falou das atividades voltadas a este segmento da sociedade em 2021.

Em Vitória do Xingu, a GPDJ apresentou os trabalhos realizados pela Sejudh e os que foram desenvolvidos pela própria Gerência com o objetivo de promover os direitos dos jovens conforme o Estatuto da Juventude. Na oportunidade também foram ouvidas as demandas das juventudes. Em Gurupá, foram feitas formações e escutas com lideranças locais e movimentos de juventudes. Por fim, em Porto de Moz, a Gerência foi recebida pela Secretaria Municipal da Juventude, quando foram debatidas políticas e programas a serem implementados entre Estado e município. 

A última cidade a receber as atividades da gerência da juventude foi Altamira, sudoeste paraense, que conta com mais de 32 mil jovens segundo dados da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa). Para Flávio Moreira de Paula, gerente da Sejudh, essas idas aos municípios são fundamentais para se conhecer de perto a realidade de cada região e encima das demandas trazidas pelos próprios jovens. “Nosso objetivo é estudar formas de pensar políticas públicas voltadas para cada segmento juvenil respeitando suas heterogeneidades, uma vez que cada cidade tem suas necessidades específicas”, afirmou. 

Flávio Moreira de Paula também salientou que as visitas, formações e, principalmente, as escutas continuarão para a construção coletiva de plano estratégico de ação e execução de políticas públicas que atendam a todo o estado.

Por Gerlando Klinger (SEJUDH)