Emater mostra viabilidade da criação de peixe em cativeiro em Santa Izabel do Pará  

Facilidade de logística para escoar a produção e disponibilidade hídrica são fatores que devem impulsionar a piscicultura no município

26/11/2021 18h20 - Atualizada em 27/11/2021 00h23

O Dia de Campo voltado à produção de peixe em cativeiro foi realizado em uma propriedade em Santa IzabelSetenta pessoas, entre agricultores familiares e estudantes de cursos técnicos das áreas de agronegócio e agropecuária, foram contempladas com informações técnicas acerca da criação de peixe em cativeiro durante o Dia de Campo sobre Piscicultura, realizado nesta sexta-feira (26), em Santa Izabel do Pará, município da Região Metropolitana de Belém, pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater).Engenheiro de Pesca da Emater, Roberto Ó de Almeida, falou sobre as vantagens da criação de peixe

De acordo com o engenheiro de Pesca da empresa, Roberto O' de Almeida Jr., chefe interino do escritório local de Santa Izabel, a ideia principal é difundir a cadeia, mostrando as vantagens da produção de pescado de qualidade, com aproveitamento de áreas hídricas, como o fácil manejo e o ótimo mercado para comercialização na região.

Cenário favorável - "No município, temos um clima favorável pra criação de peixe em cativeiro, uma facilidade de logística para escoar a produção e uma disponibilidade hídrica", explicou o servidor da Emater, que é mestre em Aquicultura de Recursos Aquáticos Tropicais.

O primeiro passo para a implantação da atividade é uma visita à propriedade, quando os técnicos da Emater fazem o levantamento da área e o layout do local dos tanques. A partir dessa definição, é feita a orientação sobre manejo, escolha da espécie, o controle de qualidade de água, o fornecimento de ração e a biometria. Em um período de 10 a 12 meses, os técnicos iniciam a assessoria para a despesca e comercialização.Agricultora Cristina Damasceno

Atendida pela Emater há 10 anos, Cristina Borges Damasceno, presidente da Associação Quilombola do Espírito Santo do Itá, que representa 45 famílias, a maioria produtora de mandioca e seus derivados, viu no Dia de Campo uma oportunidade de diversificação. "Estou participando deste evento com o objetivo de agregar conhecimento em outra atividade produtiva, com vista à alternativa de renda", ressaltou a produtora, que conta com a assessoria da Emater para acessar várias políticas públicas, como o Programa Nacional de Fortalecimento a Agricultura Familiar (Pronaf), que lhe garantiu recurso para construir a casa de beneficiamento de farinha.

O Dia de Campo contou com a parceria da Prefeitura de Santa Izabel do Pará, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, e do Sindicato dos Produtores Rurais de Santa Izabel do Pará e Santo Antônio do Tauá (Sinpriz).Equipes do escritório local da Emater em Santa Izabel e do escritório regional de CastanhalParceria - Para o secretário municipal de Agricultura, Ricardo Holanda, a parceria com a Emater é fundamental para o bom atendimento ao agricultor local. "Essa parceria é que dá o fortalecimento a esse público, melhorando o trabalho através da diversificação do produtor com uma atividade alternativa, agregando renda e melhorando as condições de vida", enfatizou Ricardo Holanda.

Piscicultor Gilson FreitasO local do evento foi a Piscicultura Boa Vista, na Rodovia PA-140. Para o compartilhamento de informações foram formadas turmas que passaram por quatro estações, abordando as temáticas sobre espécies exóticas, pirarucu, tambaqui e beneficiamento.

O piscicultor Gilson Freitas, dono da propriedade escolhida para sediar o Dia de Campo, iniciou a atividade em 2015 já com a assessoria da Emater. "Estou muito feliz por receber este público. Que a gente possa contribuir para multiplicar esse conhecimento, que nós recebemos da equipe da Emater no município", contou o produtor, que tira dos tanques até 10 mil quilos de tambaqui dos tanques de criação.

Texto: Paula Portilho – Ascom/Emater

Por Governo do Pará (SECOM)