ParáPaz conclui “Agosto Lilás” com seminário em defesa das mulheres

Encontro encerrou calendário de ações da campanha de conscientização pelo fim da violência de gênero

01/09/2021 08h48 - Atualizada em 01/09/2021 09h48

Com o objetivo de proporcionar maior aproximação entre os órgãos que compõem as redes de proteção às mulheres dentro do que a Lei Maria da Penha assegura, a Fundação ParáPaz promoveu o “I Seminário de Fortalecimento do Atendimento à Mulher em situação de Violência Doméstica”, realizado na última terça-feira (31) no auditório Ione Coelho, na Delegacia Geral do Pará, em Belém. 

O encontro encerrou diversas ações em alusão ao Agosto Lilás, campanha de conscientização pelo fim da violência de gênero, e apesar de ter sido mais restrito, contou com ampla participação do público, inscrito previamente, formado por profissionais nas áreas da assistência social, justiça, saúde e da segurança pública, como destacou o presidente da Fundação ParáPaz, Alberto Teixeira.

“O seminário encerra com chave de ouro a atuação da Fundação ParáPaz durante a campanha no mês de agosto e é de extrema importância para a nossa sociedade pois vários profissionais que atuam diariamente em defesa da mulher estão presentes e trazem informações importantes possibilitando um atendimento mais eficaz por parte dos nossos servidores”, pontuou o gestor. 

Durante a programação, com início às 14h30, foram realizadas três palestras. A primeira, ministrada pelas assistentes sociais Jaqueline Araújo e Ilana Oliveira, falava sobre um estudo do perfil socioeconômico de mulheres atendidas no Núcleo de Prevenção e Enfrentamento à Violência de Gênero (Nugen), seguida da Delegada Titular da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de Ananindeua, Andreyza Texeira, que apresentou de que forma a Delegacia atua em casos de violência de gênero, e por último, Andreza Miranda, que esclareceu sobre o fluxo de atendimento na Unidade integrada de Ananindeua, que coordena e ressaltou:

“É uma troca de interação, de conhecimento. Muitas vezes os profissionais desconhecem as competências de outros órgãos e esse momento foi pensado para estreitar relações e melhorar cada vez mais o acesso à serviços para mulheres em situação de violência”. 

A assistente social Elisangela Sousa, que coordena o Centro de Referência Especializado de Assistência Social(Creas I) de Ananindeua, disse estar satisfeita com a iniciativa e que é fundamental manter esse tipo de parceria. 

“Nós também realizamos acolhimento e essas mulheres chegam totalmente fragilizadas. Trabalhamos o fortalecimento e empoderamento delas e observamos que é importante levar a informação para dentro do ciclo de violência, pois certas vezes elas acham comum essa violência e com a informação  a gente garante que elas saibam seus direitos. Vou sair com muito mais conhecimento do que entrei”, garantiu a participante. 

Na ocasião, estiveram presentes o juiz de Direito Titular da 4ª vara criminal da comarca de Ananindeua, Emanoel Jorge Mouta; a delegada-geral adjunta, Daniela Santos; o promotor de justiça Nadilson Portilho; Rodrigo Mendes, representando a Defensoria Pública do Estado; além de representantes de outros órgãos do município de Ananindeua e do estado.

Por Nathalia Mota (PARAPAZ)