'Sua Casa' melhora condições de moradia e aquece o comércio em Conceição do Araguaia

No município, 102 famílias receberam os recursos do programa habitacional do Governo do Pará

28/07/2021 21h58 - Atualizada em 29/07/2021 11h23

Hellen Karollainy Alves Tavares, 24 anos, finalmente vai poder construir em alvenaria a casa de madeira onde mora com o marido e a filha, no município de Conceição do Araguaia, na região Sul. Nesta quarta-feira (28), o programa habitacional do Governo do Pará “Sua Casa” contemplou 102 famílias do município. O governador Helder Barbalho participou da entrega dos benefícios.Governador Helder Barbalho com moradores de Conceição do Araguaia que recebem recursos do "Sua Casa"

Emocionada, Hellen quase não conseguiu dizer como imagina sua futura casa. "Nem sei o que falar. É tudo de madeira, e nem em todos os cômodos tem piso. É difícil demais, tudo custando caro”, disse a moradora, que agora vai concretizar o sonho de uma casa melhor.

Helder Barbalho entregou aos beneficiados o auxílio, que pode chegar a R$ 21 mil, para aquisição de material de construção e pagamento de mão de obra.O programa contemplou mais de 100 famílias no município

"Só aqui em Conceição do Araguaia foram mais de 100 benefícios, investimento perto de R$ 2 milhões, algo que irá ajudar as famílias que mais precisam, famílias carentes, que moram em condições desumanas. O ‘Sua Casa’ garante o material de construção e também o custeio da mão de obra. Acima de tudo, garante uma moradia melhor, mais digna e feliz", ressaltou o governador durante a entrega dos benefícios, na Praça da Bíblia, na sede municipal.

Aos 60 anos, o trabalhador rural Leoni Azeredo também disse estar ansioso para começar logo a melhorar a casa que divide com a esposa, um filho e a sogra. "Veio em muito boa hora essa ajuda. Fiquei muito feliz. Quero colocar o dinheiro todo na casa e caprichar, fazer tudo bem feito", contou.

O prefeito de Conceição do Araguaia, Jair Martins, reforçou que os recursos ajudam também a movimentar o comércio local. "Além de ser um recurso que chega para pessoas carentes, sem condições de construir ou reconstruir, aquece a economia da cidade, ao mesmo tempo em que promove mais qualidade de vida para a nossa população", enfatizou.

Por Carol Menezes (SECOM)