Gerência dos Povos Indígenas da Sejudh acompanha liderança em missão na TI Alto Rio Guamá

Participação em atividade de proteção e monitoramento conta ainda com a presença de 42 guardiões da floresta, nesta segunda-feira (12)

12/07/2021 12h05 - Atualizada em 12/07/2021 12h30

A Gerência de Proteção e Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas, vinculada à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), segue realizando uma agenda intensa nas aldeias localizadas na Terra Indígena Alto Rio Guamá, no nordeste paraense, desde a última quinta-feira (08). Entre as atividades previstas estão conversas com as lideranças e caciques das aldeias Cajueira, Canindé e Tekohaw, além de articulação e conhecimento das demandas em defesa e monitoramento do território.

Nesta segunda-feira (12), a gerente dos povos indígenas da Sejudh, Puyr Tembé, acompanha 42 guardiões da floresta e o cacique Kaparaí da aldeia Tekohaw na missão de proteção e monitoramento contra invasores no território. “Na TI Alto Rio Guamá existem muitas atividades ilícitas, o que deixa as famílias desses guardiões em angústia quando partem em missão, mas também comentam ter a certeza que estão do lado certo, protegendo o território, em defesa das gerações que estão lutando hoje e as que ainda estão por vir”, afirmou.

A Terra Indígena Alto Rio Guamá possui 279 mil hectares dos municípios paraenses Garrafão do Norte, Santa Luzia do Pará, Nova Esperança do Piriá e Paragominas, ambas as cidades no nordeste paraense. Na TI vivem aproximadamente 1.425 indígenas da família linguística Tupi-Guarani. “Apesar de tudo, todos mencionaram a importância de não desistir e continuar resistindo, porque a proteção do território é essencial para a continuidade da história dos Tenetehara”, finalizou Puyr Tembé.

Por Gerlando Klinger (SEJUDH)