Governo do Pará abre projetos em várias frentes para capacitar os jovens

Projeto também pretende inseri-los no mercado de trabalho ou na abertura do próprio negócio.

05/07/2021 12h38 - Atualizada em 05/07/2021 14h44

"Cenas de Paz", "Primeiro Ofício" e "Juventude Empreendedora" são algumas das ações de estímulo ao empreendedorismo da juventude, adotadas nos últimos dois anos e meio pelo governo do Pará. O objetivo é desenvolver habilidades e competências das novas gerações,, por meio de capacitação, para inseri-las no mercado de trabalho.

A oficina de Comunicação Integrada do "Cenas de Paz", da Funtelpa, garante 72 horas/aula conteúdos diversos de comunicação para pessoas que vivem em bairros atendidos pelo programa Territórios pela Paz (TerPaz). Os participantes aprendem técnicas para desevolver produtos de audiovisual e rádio, noções de câmera, web e edição. No final da oficina, os participantes são certificados e fazem uma visita técnica à Funtelpa Rede de Comunicação. 

Adriano Souza participou das oficinas e disse ter encontrado mais do que esperava. “Os professores nos ofereceram um mundo totalmente novo, oportunidades de nos tornarmos pessoas melhores e de encarar qualquer medo, aceitar qualquer desafio. É importante que você tenha pessoas capazes de gerar conteúdo de qualidade e com a veracidade dos fatos", diz ele.

Coordenadora do projeto, a diretora da TV Cultura, jornalista Vanessa Vasconcelos, informa que as oficinas já foram realizadas na Cabanagem, em Marituba, Icuí, Benguí, Jurunas e, atualmente, no Guamá. 

"Hoje em dia a gente não tem mais a necessidade de ter alta tecnologia ou equipamentos de ponta para transformar informação em conteúdo funcional, principalmente nas comunidades das quais eles fazem parte. Assim funciona o Cenas de Paz", diz a jornalista. 

Titular da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac), Ricardo Balestreri observa que alguns dos jovens que participaram das oficinas já se tornaram comentaristas esportivos, âncoras de vídeos etc. 

“São jovens maravilhosamente criativos, extremamente capazes, mas lhes faltavam oportunidades. Hoje, o governo abre essa porta para que possam exercer os seus dons e crescer nas suas habilidades e talentos", reforça. 

OFÍCIO
Desenvolvido pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), o programa "Primeiro Ofício" já atendeu cerca de 1,3 mil jovens desde seu lançamento, em agosto de 2019, com o objetivo de gerar oportunidade de inserção no mercado de trabalho para jovens entre 14 e 24 anos em situação de vulnerabilidade social.  

A iniciativa inclui a sensibilização de empresas que usufruem de algum tipo de benefício fiscal a dedicar 30% de vagas do Programa Jovem Aprendiz àqueles que cumprem medidas socioeducativas e do sistema prisional, ou que estejam em situação de vulnerabilidade. Em troca da adesão, o Estado concede o selo “Empresa Cidadã”. 

Luciana Gomes tem 17 anos e participa do "Primeiro Ofício". A mãe foi quem contou a ela sobre a oportunidade, e a garota foi logo atrás do que ela chama ser um "divisor de águas" em sua vida.
"É minha primeira oportunidade de trabalho e está sendo um sonho realizado, estou sendo qualificada no Paysandu, uma empresa que eu gosto muito, me dá oportunidade de crescer mais profissionalmente", garante a jovem.

Paulo Vitor Ribeiro, 22 anos, entrou em uma empresa de mineração de ouro em Itaituba, na região do Tapajós, em novembro passado. "Recebo meu salário de jovem aprendiz, tenho carteira assinada e todos os meus direitos inclusos. O programa veio em uma boa hora neste momento de pandemia e com tantas coisas acontecendo", diz ele.

De acordo com o secretário Inocencio Gasparim, um estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA) aponta o registro de aproximadamente seis mil contratações de jovens aprendizes durante os últimos 12 meses, o melhor resultado da região Norte. "É papel do Estado dar oportunidade aos jovens de ingresso no mercado de trabalho e aproximar as empresas do governo, discutindo questões como a redução da violência e aprendizagem", destaca. 

EMPREENDEDORISMO
O "Juventude Empreendedora 2.1" objetiva incentivar jovens entre 17 e 29 anos, por meio de capacitação, para que abram seus próprios negócios. No último dia 26 de maio, o governo do Estado, via Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), assinou um Termo de Cooperação com o Conselho Nacional de Juventude (CNJ), e com a Agência de Fomento Social Besouro, para parceria no projeto.

A capacitação é dividida em onze etapas, que abordam finanças, comunicação on-line e off-line e gestão de pessoas. O projeto também conta com dicas e guias práticos para ajudar os novos empresários a sobreviverem à crise e encontrarem uma nova oportunidade de geração de renda em 2021, mesmo em meio à pandemia. O programa Juventude Empreendedora 2.1 é oferecido por meio da metodologia exclusiva ByNecessity®️, que revê o modelo tradicional de um plano de negócios e adapta para pequenos negócios, de forma a ser executado depois de cinco dias de curso, que somam 20 horas de capacitação.

Sobre o "Juventude Empreendedora 2.1", a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos vai iniciar tratativas com o Banpará para que sejam criadas linhas de crédito permanente para as juventudes, que terá o nome de “Juventudes Empreendedoras – Pará”.

Por Carol Menezes (SECOM)