Auxílio já ajudou mais de 2,7 mil famílias vítimas de calamidade pública, nos últimos seis meses

Programa "Recomeçar" é destinado a famílias que perderam bens móveis e imóveis em alagamentos provocados pelas fortes chuvas no Estado

16/06/2021 16h03 - Atualizada em 16/06/2021 16h44

Morador da Cabanagem, beneficiário do programa 'Recomeçar", trabalha na recuperação de sua casa, atingida fortemente pelas chuvasCriado em março de 2020 para socorrer as famílias atingidas pelos alagamentos, o projeto Recomeçar socorreu, dentre outras vítimas, Maria do Carmo Pantoja Chaves, de 57 anos, moradora do conjunto Promorar, que recebeu o auxílio de um salário mínimo concedido pelo governo do Estado.

"Hoje, graças a Deus, estamos bem, não entrou mais água em casa, né? A ajuda do governo com certeza fez a diferença”, confirma ela, que foi assistida por recursos do fundo criado pelo Executivo Estadual. 

Vizinha e irmã de do Carmo, Maria da Conceição Pantoja Sacramento, 67 anos, também foi auxiliada pelo Recomeçar. "Essa ajuda de um salário mínimo nos ajudou a viver melhor", reforça. Segundo o Corpo de Bombeiros Militar, são 2.746 famílias assistidas durante seis meses, em decorrência de casos de emergência. 

Francisco Salgado Junior, que é superintendente de Relações Institucionais do Banco do Estado do Pará (Banpará), diz que a parceria com o governo ratifica o compromisso do Banpará com "o desenvolvimento econômico e social do Estado do Pará, como agente pagador e facilitador para o recebimento do benefício". 

Em nove meses, programa já atendeu 2,8 mil pessoas cujos imóveis sofreram danos provocados por calamidades públicasPROGRAMA

O Recomeçar é um auxílio do governo estadual destinado a famílias atingidas por fortes chuvas e alagamentos nas diversas regiões do Pará, com o objetivo de minimizar os danos causados à moradia e aos bens móveis das famílias. 

O auxílio no valor de R$ 1.045 ocorre após cadastro e avaliação do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil para pessoas que perderam móveis, eletrodomésticos ou tiveram as casas danificadas por causa das chuvas. 

Em nove meses, o programa já beneficiou 2.857 pessoas, com um investimento de cerca de R$ 3 milhões. Os contemplados, com renda entre meio salário mínimo e três salários, tiveram avaliadas também as perdas dos bens. A Coordenadoria Estadual levou em consideração os bairros mais atingidos, de acordo com o cadastro do programa, que ocorreu até o dia 30 de abril de 2020, para a elaboração de plano com ações de prevenção para 2021. 

Por Carol Menezes (SECOM)