Cosanpa investe em melhorias da rede de saneamento e distribuição de água em todo o Pará

31/05/2021 22h31 - Atualizada em 31/05/2021 22h40

Cada anúncio de falta de água era sinônimo de corre-corre na casa da professora aposentada Edna Fernandes, 69, para encher os vários panelões usados para fazer a maniçoba que ela cozinha para vender, e assim garantir o líquido tanto para o consumo quanto para higiene pessoal e da casa. Essa agonia acabou em março deste ano, quando a moradora do bairro do Telégrafo tornou-se uma das 50 mil, ao total, contempladas pelo programa Caixa D’Água para Todos, do Governo do Pará.

A iniciativa faz parte de uma série de ações executadas em parceria com os órgãos relacionadas à gestão de saneamento básico, no sentido de ampliar a rede, com tratamento de esgoto e resíduos, além de garantir o abastecimento, com água de qualidade, para os moradores de todo o Estado.   

"Não faltava tanta água assim, com tanta frequência, mas quando faltava era um transtorno", confirma Edna, que é proprietária da casa onde mora. "No início, fiquei desconfiada quando vieram oferecer a caixa d'água, nunca vi governo dar nada de graça. Foi uma surpresa, na verdade. Mas aí veio uma assistente social, conversou comigo, explicou e logo vieram instalar. Ficou bom, melhorou bastante", confirma. 

De volta ao trabalho - A partir de 2019 a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) retomou 13 projetos parados e iniciou outras obras em mais de dez municípios paraenses. Foi mais de R$ 1 bilhão investidos, e mais recursos devem ser aprovados.

“É muito importante uma recordação do que ocorreu na Cosanpa: a empresa e o governo do Estado trabalharam muito para mudar a realidade de quem mais precisa, e melhorar a qualidade da água da população paraense, principalmente para os nossos clientes. Fizemos investimentos em saneamento básico e na recuperação propriamente dessa companhia, que são fundamentais para alcançar nossas metas empresariais", explica José Antônio De Angelis, presidente da Companhia.

A primeira obra, cuja etapa inicial foi inaugurada em março de 2020 foi o Complexo Bolonha, um investimento de mais de R$ 150 milhões feito pelo governo para melhorar o abastecimento de água de quase 900 mil moradores de Belém e Ananindeua. A Estação de Tratamento de Água (ETA) do Bolonha, hoje, sozinha é responsável por 65% do abastecimento da capital paraense. 

Ainda em 2019, foi iniciada uma obra de substituição de todas as redes de cimento amianto em Belém por redes novas em Polietileno de Alta Densidade (PAD), material moderno utilizado hoje nas principais companhias de saneamento do país e do mundo: são cerca de 200 km de redes novas implantadas em mais de 20 bairros da capital por um método nunca antes utilizado na Cosanpa, o Método Não Destrutivo (MND), que utiliza perfuratrizes horizontais que instalam as redes sem ter que fazer abertura de toda a vala para assentamento da tubulação. 

O 'Caixa D'água para Todos' foi iniciado em setembro de 2020 para distribuição e instalação de reservatórios de 500 litros para moradores de baixa renda de Belém. Até agora já foram mais de 35 mil pessoas beneficiadas ao todo, e mais de sete mil reservatórios residenciais instalados. 

Municípios - Na região do Baixo Amazonas, em Monte Alegre, as obras de ampliação do sistema de abastecimento de água já estão com 70% dos serviços executados, um investimento de mais de R$ 10 milhões que beneficiarão cerca de 40 mil habitantes do município. A Cosanpa deve entregar o novo sistema em dezembro desse ano. O projeto foi aprovado ainda em 2018, mas só em 2019 foi iniciada a execução. 

Já em Castanhal, no nordeste do Estado, as obras do novo sistema de abastecimento de água já estão com 53% dos serviços executados. A Companhia está construindo cinco novos setores de abastecimento com captações próprias, reservação, que irão beneficiar 65 mil moradores da cidade. Em relação ao esgotamento sanitário, quase 60% das obras da Estação de Tratamento de Esgoto do Una já foram concluídas. O projeto irá atender cerca de 90 mil habitantes, com capacidade para tratamento de 475 litros de esgoto por segundo.

Esta obra ficou parada durante cinco anos e foi retomada pela nova gestão estadual em novembro de 2019, com investimento de mais de R$ 84 milhões. "Com o investimento desse capital passaremos efetivamente a tratar esgoto com novas tecnologias, com mecanismo que garanta maior qualidade do efluente que será lançado no rio", reforça José Antônio. A previsão de entrega é para o segundo semestre de 2022.  

Em Santarém, estão em andamento a obra de ampliação do sistema de abastecimento de água de Alter do Chão, investimento do Estado de R$ 13 milhões, com a meta de beneficiar quase 18 mil pessoas. E, ainda, a ampliação do sistema de abastecimento de água de Santarém, que o Governo investe cerca de R$ 150 milhões na perfuração de seis poços, construção de cinco reservatórios e 300 km de novas redes para ampliar o abastecimento de água para mais de 20 bairros. No início deste mês de maio, a Cosanpa entregou o primeiro sistema da obra com quatro setores de abastecimento do total de 17 setores previstos.

Por Carol Menezes (SECOM)