Semas monta ponto fixo para coleta de óleo de cozinha

A iniciativa tem como objetivo garantir a destinação correta do produto. Ação faz parte da atuação da Semas no programa Territórios pela Paz

05/05/2021 18h59 - Atualizada em 07/05/2021 22h05

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) promove nesta quinta e sexta-feira (6 e 7), às 9 horas, uma oficina de economia doméstica sobre reciclagem do óleo utilizado no preparo de alimentos. Promovido pela Coordenadoria de Educação Ambiental (Ceam), o workshop ensina a transformar o líquido em barra de sabão e vai capacitar os servidores que atuarão nas ações da Semas no programa do Governo do Estado “Territórios Pela Paz” (TerPaz), promovendo a sustentabilidade.

O descarte de forma incorreta do óleo de cozinha causa problemas socioambientais. Ao ser despejado no ralo da pia - o meio mais comum de descarte irregular - o líquido se condensa ao interagir com outros detritos no encanamento, formando uma massa espessa que pode danificar a tubulação. Além disso, quando chega ao solo, causa a sua impermeabilização, comprometendo o processo de filtração da água da chuva, o que propicia enchentes.

A poluição hídrica é outro dano ao meio ambiente causado pelo descarte incorreto do óleo, uma vez que a água e o resíduo possuem propriedades diferentes e por isso não se fundem. O óleo forma uma camada sobre a água, impossibilitando que a luz solar adentre os mares, rios e igarapés, assim como prejudica a distribuição de oxigênio à vida marinha.

A emissão de gases poluentes na atmosfera - como o gás metano, um dos responsáveis do efeito estufa - também é uma consequência do despejo errôneo do óleo de cozinha. “Precisamos observar que o descarte de óleo de cozinha não deve ser feito de forma aleatória no ralo da pia, no vaso sanitário e nem com o lixo orgânico, pois esses destinos incorretos vão levar à contaminação dos mananciais aquáticos e causar outros problemas que vão acarretar também no prejuízo à saúde do ser humano”, explica Andreia Monteiro, coordenadora da Ceam.

O óleo também pode atrair animais vetores de doença, como ratos. Um litro de óleo é capaz de poluir um milhão de metros quadrados de solo. “A Educação Ambiental é o primeiro passo para alcançarmos o desenvolvimento sustentável. Nosso papel na Secretaria é conscientizar e promover cada vez mais ações que expliquem para a sociedade a importância desse tema”, explicou o Secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mauro O'de Almeida.

A Semas montou um ponto fixo de coleta do óleo de cozinha foi instalado pela Ceam na biblioteca da Semas, que receberá o produto no horário de expediente da secretaria, das 9h às 15 horas. O líquido será utilizado para a confecção de sabão em barra, um meio ambientalmente viável de reaproveitamento desse óleo.

TerPaz - A Semas realiza oficinas de produção de sabão caseiro em comunidades da Região Metropolitana de Belém (RMB), como parte do projeto de Economia Doméstica e Formação de Rede Comunitária para Reaproveitamento de Resíduos Sólidos, Líquido e Orgânicos, executado pela secretaria dentro do programa do Governo do Estado “Territórios Pela Paz” (TerPaz). 

As ações levam políticas públicas aos bairros em situação de vulnerabilidade social da RMB. “As ações da Semas, no contexto dos Territórios Pela Paz, são de fundamental importância. As populações que vivem nesses territórios são criativas, trabalhadoras e necessitam de oportunidades. Contudo, ao longo da história, foram populações esquecidas e sofrem hoje os efeitos altamente adversos no campo socioeconômico, gerados pela pandemia. Portanto, a ação da Semas possibilita aprendizagem, profissionalização, oportunidades de trabalho e de renda. É a presença viva do Governo do estado apoiando os que mais necessitam”, comenta Ricardo Balestreri, titular da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac).

Por Bruna Brabo (SEMAS)