Emater integra o Comitê de Regularização Ambiental de Augusto Corrêa

O colegiado quer avançar na emissão do Cadastro Ambiental Rural (CAR), registro eletrônico obrigatório e importante para o combate ao desmatamento

03/05/2021 14h41 - Atualizada em 03/05/2021 16h27

Equipes da Emater e da prefeitura municipal, em Augusto Corrêa, com o decreto do Comitê de Regularização Ambiental no municípioO Comitê de Regularização Ambiental foi instituído, por meio de um decreto municipal, e assinado na última semana do mês de abril. O colegiado tem representantes das secretarias municipais de Meio Ambiente, de Administração e Finanças, de Agricultura e de Planejamento do município de Augusto Corrêa, no nordeste do estado, e do Escritório Local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) no município.

“Vamos desenvolver atividades em conjunto, integrando as Secretarias Municipais e a Emater, com a meta de alcançar o cadastro de 50% das propriedades no intervalo de em um ano, até maio de 2022. Hoje, o comitê de regularização ambiental conta com toda a equipe técnica da Emater, e também com a equipe técnica municipal de três biólogos, dois agrônomos, um gestor ambiental”, explicou a secretária de Meio Ambiente de Augusto Corrêa, Fabrícia Penha.

A a secretária Fabrícia Penha explicou que, "com a intensificação das atividades voltadas para o cadastro ambiental rural, por meio do comitê, teremos uma ferramenta de fundamental importância para que seja formada uma imagem real da situação ambiental, além da dar inicio a regularização das propriedades rurais".

O chefe local da Emater, em Augusto Corrêa, Gilmar Costa, enfatizou as metas de emissão do CAR. “Hoje temos menos de 30% de CAR no município, num total de aproximadamente 18 mil hectares cadastrados. A proposta é avançar para cadastrar 47 mil hectares de propriedades de Augusto Corrêa. Além de aumentar os cadastros, esse avanço vai nos dar informações ambientais sobre as propriedades, como área de preservação permanente (APP), área de reserva legal, florestas etc”, diss ele.

Entre as estratégias a serem usadas para alcançar mais produtores na emissão de CAR estão a divulgação de informações, a realização de campanhas sobre a importância do cadastro e o planejamento de mutirões nas comunidades.

O CAR é um registro eletrônico obrigatório para todos os imóveis rurais e pode contribuir para o combate ao desmatamento e também para o planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.

“A exigência do CAR muda a consciência e leva o agricultor a preservar principalmente suas áreas de nascentes e de preservação, além de obter o documento que é obrigatório para ter acesso a diversas políticas públicas”, afirma Gilmar

Todos os agricultores familiares devem fazer o CAR de suas propriedades. A Emater é responsável por atender aqueles pequenos produtores, com propriedades de até 4 módulos fiscais, para a emissão do documento. A inscrição no CAR é o primeiro passo para obtenção da regularidade ambiental do imóvel e para o acesso do agricultor a linhas de crédito rural, programas sociais e políticas públicas.

*Por Etiene Andrade (Ascom / EMATER).

Por Governo do Pará (SECOM)