Dia da Educação  - Emater contribui para produção e qualidade de vida do agricultor

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará fomenta a agricultura familiar com ações educativas como cursos, dias de campo, demonstrações técnicas

28/04/2021 16h43 - Atualizada em 28/04/2021 19h39

A agricultora Daise Alves, da localidade do Itaqui, em Castanhal, é uma das trabalhadoras rurais atendidas pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater). Para ela, os conhecimentos repassados pelos técnicos do escritório local definiram o rumo que sua história iria tomar, em um momento em que ela pensou em desistir das atividades do campo.

“Foi essencial o conhecimento que eles nos trouxeram aqui, porque nós não tínhamos conhecimento para poder trabalhar com a terra, a gente terminava fazendo da forma errada e não tínhamos resultado. Agora a nossa propriedade é muito produtiva”, afirmou Daise Alves.

Já se vão 10 anos, desde que Daise Alves passou a ter o apoio da Emater, e a partir de então conseguiu estruturar a propriedade dela dentro do modelo de Sistemas Agroflorestais ( SAFs), com produção de diversas espécies de frutas o ano todo. Atualmente, ela consegue beneficiar parte de sua produção em forma de polpas, doces e licores e ainda tem como alternativa de renda a produção de pequenos animais, como frangos e suínos.Pedagoga, Liduina Bentes, 15 anos de atuação na Emater: " A gente sempre precisa dar voz ao agricultor para ele se posicionar".

“A Educação no campo vai muito além do ler e escrever e ela passa pela experiência e pela vivência que o agricultor ganha ao longo de sua vida naquilo que ele pratica. E nós, enquanto Emater, levamos a questão da educação no sentido que ele possa aprender com qualidade e técnica e exercer essa técnica para que possa ter melhoria e assim ter alimento de qualidade na mesa e excedente para atender o mercado local e gerar renda”, disse o engenheiro florestal, Denilson Batista de Souza.

Para a pedagoga Liduina Bentes, que há 15 anos atua na Emater e já acompanhou agricultores de cinco municípios paraenses, "a educação é troca e em cada ação, que será executada, precisamos considerar os vários meandros e cada um colocar o seu olhar e, no retorno, precisamos observar como esse agricultor nos percebe. A gente sempre precisa dar voz ao agricultor para ele expressar as dificuldades e se posicionar frente ao conhecimento que está recebendo e nos devolver o conhecimento que ele tem, e em cima do qual nós podemos trabalhar uma atualização. Com esse olhar pedagógico a possibilidade de êxito é maior”, considera a pedagoga.

No ano de 2020, a Emater realizou mais de 56 mil atendimentos, em todos os 144 municípios paraenses. Parte desses atendimentos foram de ações educativas como cursos, oficinas, demonstrações técnicas, implementação de unidades de observação, e dias de campo, entre outras metodologias utilizadas pela extensão rural.

*Por Etiene Andrade (Ascom / Emater).

Por Governo do Pará (SECOM)