PA-252: obras do Governo incentivam o desenvolvimento da produção agropecuária do nordeste paraense

16/04/2021 14h50 - Atualizada em 16/04/2021 15h46

A obra da PA-252, também conhecida como Perna-Sul, está em fase de conclusão. Dos 63 km de malha viária previstos pelo Governo do Estado para construção e pavimentação, cerca de 56 já foram finalizados no nordeste paraense, o que além de incentivar o escoamento da produção agropecuária, representa um avanço para a economia da região. 

No primeiro lote da obra, que vai da Perna-Sul até a Vila de Castanhandeua, no município de Moju, estão sendo concluídos os últimos seis quilômetros. No segundo lote, que vai do entroncamento da PA-475 até a vila Castanhandeua, está sendo executado o último quilômetro do trecho.

“Essa obra vai diminuir distâncias para a produção, trazer mais conforto, melhor mobilidade para o tráfego de veículos, sejam eles leves ou de carga, e vai fazer com que tenhamos uma rota alternativa a PA-150, para que nós possamos ter mais segurança no tráfego e acima de tudo, mobilizando uma diversificação da economia para transformar a vida da população dessa região”, explica o titular da Secretaria de Estado de Transporte (Setran), Adler Silveira.

A PA-252 tem início no porto da cidade de Abaetetuba e chega a BR-010, tendo em seu percurso, a interceptação das rodovias PA-151, PA-140, PA-127 e, futuramente, das rodovias PA-124 e a PA-108. O investimento é de aproximadamente R$ 92 milhões.

ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO

Além da produção de açaí, mandioca, cana-de-açúcar, coco-da-baía, banana, laranja, limão, abacaxi, melancia, maracujá, milho, feijão, arroz, pimenta do reino e cacau, a produção de Dendê do Brasil é destaque ao longo dos municípios da PA-252. O Estado é o maior produtor do país desta especiaria e o nono maior produtor do mundo. 

Em 2019, 98,47% da produção brasileira do produto foi feita no Pará, o que representa 2.543.814 toneladas. Só dos municípios que produzem o fruto e são atendidos pela PA-252 (Abaetetuba, Acará, Concórdia do Pará, Mãe do Rio, Moju e São Domingos do Capim), em 2019, foram 43.623 hectares plantados, que geraram uma produção de 676.601 toneladas de dendê.

O titular da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), Alfredo Verdelho, afirma que o Pará vive um importante momento na área da produção de alimentos, o que constitui um dos caminhos para a diminuição da desigualdade social e aumento do IDH, e explica que investir na logística de transporte significa um esforço essencial. 

“Nossas estradas, tanto municipais, estaduais e federais são de extrema importância para o escoamento desta produção que a cada dia alcança mais mercados. O uso de estradas não pavimentadas oneram os custos de transporte e ainda causam muitos prejuízos devido a atoleiros e outras intempéries. No caso da agricultura, há ainda danos maiores pois não há na nossa região armazéns que comportem nossa produção. O governo do estado tem trabalhado para sanar todos esses gargalos”, assegura o secretário. 

A engenheira agrônoma da Sedap, Marcia Tagore, considera a produção de óleo de palma do Estado como referência para outros locais. São cerca de 1.300 agricultores familiares do produto, com área plantada de mais de 200 mil hectares. 

“Temos, em média, uma produção que ultrapassa 3,8 milhões de toneladas e isso tem um valor significativo para nós. Contamos com três grandes regiões envolvidas: Tocantins, Capim e Caeté. Para manter as estradas em condições de trafegabilidade e ter o acompanhamento dos transportes, a parceria entre Estado, iniciativa privada e produtores é de grande importância”, ressalta a engenheira.

Por Giovanna Abreu (SECOM)