Uepa forma mais uma turma com 46 médicos em Belém

Na solenidade de graduação on-line foi destacada a importância de novos profissionais da saúde para atuação no cenário de pandemia

14/04/2021 16h44 - Atualizada em 15/04/2021 15h03

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) antecipou a entrega de 46 diplomas de discentes do Curso de Medicina, do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), em Belém, por meio de uma videoconferência realizada na terça-feira (13). Pela internet houve o ritual simbólico de formatura, que não pôde ocorrer presencialmente em função dos protocolos de biossegurança, para evitar a proliferação do novo coronavírus.

As cerimônias de outorga de grau costumam ser momentos de festa entre formandos, familiares e amigos. Porém, com a pandemia de Covid-19, essas celebrações ganharam novos formatos e conceitos. A colação de grau on-line contou com a participação de uma banca formada pela diretora do CCBS, Vera Palácios, e pelos professores Roberta Koyama, Mariane Franco e Rui Mascarenhas, escolhidos, respectivamente, como paraninfa, patrona e nome da turma.

Para a professora Djenanne Caetano, coordenadora do Curso de Medicina, o fato de a Uepa formar 46 novos profissionais para auxiliar o cenário da saúde no Estado é “de grande importância, tanto para a Universidade quanto para a saúde paraense. Com a formatura desses profissionais, estamos entregando novos médicos capacitados para fazerem atendimento e estar à disposição, para auxiliar a comunidade do nosso Estado, que ainda atravessa a pandemia da Covid-19”, ressaltou.

Conquista - A ação da Uepa é embasada na Lei nº 14.040, que estabelece normas excepcionais que podem ser adotadas durante o estado de calamidade pública, reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, que alterou a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. O objetivo é abreviar a duração dos cursos de medicina, farmácia, enfermagem e fisioterapia, desde que o aluno tenha cumprido, no mínimo, 75% da carga horária do internato do curso de medicina ou 75% da carga horária do estágio curricular.

O reitor da Uepa, Rubens Cardoso, frisou a importância social da Universidade do Estado, além do papel educacional, em função de a instituição ter acatado o pedido dos alunos para antecipação do diploma com base na lei federal. “O grande papel social da Universidade do Estado do Pará está representado, sobretudo, pela expansão de suas atividades para o interior e por formar profissionais que atendam à demanda do mercado de trabalho paraense. Isso, sem dúvida, é o que a gente pode fazer, e está contido na própria lei da Universidade. Mas a antecipação de hoje, embasada em lei, é sim uma ação de responsabilidade da Universidade, pois coloca os profissionais à disposição das frentes de trabalho no combate à pandemia”, afirmou.

Para diretora Vera Palácios, ofertar novos profissionais da área da saúde para a linha de frente do enfrentamento ao vírus da Covid-19 é uma ação institucional, que demonstra o compromisso que a Uepa tem com a sociedade. “Hoje é mais um momento especial para o CCBS e para Uepa, pois estamos entregando 46 novos médicos preparados para o mercado de trabalho, e acima de tudo para atuarem no combate à Covid-19, e assim ajudar o nosso Estado a superar essa pandemia. Me sinto muito feliz por poder estar participando deste momento único para todos esses discentes, agora recém-formados”, destacou.

Capacitação - Durante a graduação em Medicina, a Uepa oferece aos alunos uma gama de experiências multiprofissionais na área da saúde, para formar profissionais capacitados em diversas especialidades.

Para o recém-formado Bernardo de Oliveira, a Uepa agiu em defesa dos alunos em todo processo de antecipação do diploma, e isso reafirma o papel social que da Universidade, que vai além do valor educacional. “É imperativo e responsabilidade da instituição a entrega de mais profissionais para a área da saúde no momento em que estamos, porque é inegável a necessidade de mais assistência. Desta forma, tivemos muitas dificuldades para o andamento do processo de antecipação, mas contamos com o apoio de muitas pessoas dentro da Uepa, que sabiam da importância dessa necessidade de mais médicos para atuar na pandemia. As pessoas que ajudaram sabem do que estou falando, pois também acreditam na importância da Universidade estar entregando novos médicos para o Estado durante a pandemia”, disse Bernardo.

Os médicos recém-formados atuaram, durante o internato, em Unidades Básicas de Saúde (UBS), tanto na zona urbana como na zona rural, além da Policlínica e de hospitais de referência, nos âmbitos estadual e municipal.

Segundo a nova médica Nathalia Pereira, a Uepa está marcada na sua vida não somente por ter sido o lugar onde encontrou o caminho profissional, mas por todo afeto construído ao longo dos anos, além da capacitação que a preparou para atuar na medicina de forma íntegra e segura. “Tenho professores que marcaram a minha trajetória e me ensinaram muito mais do que ser médica, mas como ser uma pessoa melhor, pois me ofereceram experiências médicas e abriram espaços para que eu pudesse praticar e atuar até me sentir segura. Por isso, sou realmente grata à Uepa por ter me preparado durante estes seis anos. Eu digo que a Uepa é realmente uma casa para mim, e que vou levar no coração para o resto da vida”, garantiu.

Por Daniel Leite Júnior (UEPA)