Vulneráveis acolhidos em abrigos emergenciais produzem "colcha de retalhos" com lembranças

Atividade artística é uma das estratégias da Seaster para estimular sociabilização, interação, a recuperação da auto-estima e a confiança entre eles

13/04/2021 16h39 - Atualizada em 13/04/2021 18h27

″Colcha de Retalhos″ é uma iniciativa que traduz em imagens o que cada participante tem como lembrança afetivaFamílias acolhidas em um dos abrigos emergenciais instalados pelo Governo do Estado se reuniram, na manhã desta terça-feira (13), em torno de uma atividade artística que os convidou a recordar boas lembranças e trabalhar o convívio uns com os outros.

A atividade intitulada "Colcha de Retalhos" propôs a cada participante que retratasse em forma de desenho um momento especial de sua vida ou uma lembrança que desperta bons sentimentos neles. O projeto reúne famílias acolhidas em um dos abrigos emergenciais instalados pelo Estado

Técnica da Seaster, Kleidi Andrade explica que "a colcha de retalhos é composta por momentos vivenciados por eles, ou sonhos que eles desejam alcançar, lugares ideais. Eles transformam esses elementos de suas vidas em desenhos, que mais tarde serão colados uns nos outros, tornando-se uma grande colcha, um grande quadro formado por cada pequeno desenho".″Colcha de Retalhos″ foi desenvolvida pela equipe de coordenadores de abrigos e profissionais de saúde mental da Seaster

L.V, 25 anos, está acolhido na escola Dom Pedro II e explica que o desenho que produziu retrata não só um sentimento pessoal, como também um protesto a favor da preservação da floresta amazônica. "Eu desenhei uma floresta, mas ela está pegando fogo. Escrevi no meio dela 'A Floresta é vida', porque é isso mesmo, a floresta amazônica é nossa vida, é o local onde moramos e estão destruindo ela com queimadas e desmatamento", disse.

Janete Corrêa também participou da atividade e se disse mais aliviada por ter conseguido expressar sentimentos que a deixam triste. Ela contou que as atividades propostas nos abrigos ajudam a ocupar o tempo ocioso, evitando a evasão. "Eu gostei muito de ter participado, é uma atividade muito boa, pois nos ajuda a expressar sentimentos e a ocupar a nossa mente para não termos pensamentos ruins e querer ir embora, voltar pra rua. Eu não quero voltar para a rua, gosto bastante daqui", afirmou a acolhida. Os abrigos emergenciais oferecem proteção e atividades de lazer e acompanhamento psicológico

INTERAÇÃO

Segundo a coordenadora da Seaster, Kleidi Andrade, esses momentos de interação têm o intuito de promover a integração e sociabilização dos abrigados, assim como estimular a recuperação da auto-estima e confiança, trabalhando com a comunicação entre eles. No término, cada um expôs a sua obra e contou o que ela representa e o significado para a sua vida. 

A Colcha de Retalhos foi uma atividade desenvolvida pela equipe de coordenadores de abrigos e profissionais da saúde mental da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), órgão que que administra os abrigos. Os espaços garantem atividades de lazer e acompanhamento psicológico regularmente aos acolhidos, reduzindo níveis de estresse e proporcionando um ambiente saudável para quem decide se abrigar. 

Por Camila Santos (SEASTER)