Pesquisa sobre capital intelectual no funcionalismo paraense estende prazo para respostas

Estudo busca mapear junto aos servidores públicos do Estado o nível de capital humano, relacional e estrutural

13/04/2021 12h36 - Atualizada em 14/04/2021 11h36

A pesquisa "Capital Intelectual na Estrutura Pública do Estado do Pará", elaborada pelo Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Estratégicos em Governança Pública (Ceppe) da Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA) atualizou o prazo para participação e receberá respostas até o dia 30 de maio. Com o objetivo de mapear junto aos servidores públicos do Estado o nível de capital humano, relacional e estrutural, a pesquisa pode ser respondida por meio de um formulário eletrônico neste link.

Professora Luciana Ferreira, coordenadora da pesquisaA meta mínima de respostas para a amostra já foi atendida, com quase 4 mil respondentes, destes 78% são concursados.

“Optamos por prorrogar o prazo de resposta até 30 de maio, com o intuito de alcançar uma abrangência mais forte no interior do Estado, pois a maioria das respostas é da capital e região metropolitana”, explica Luciana Ferreira, gerente fazendária que atua como pesquisadora na Escola Fazendária, vinculada ao Observatório de Governança Pública - grupo de pesquisa da EGPA – e coordenadora da pesquisa.

Este levantamento foi formulado buscando observar as potencialidades, competências e habilidades em diferentes órgãos do Estado e em todo o território, auxiliando os gestores nas tomadas de decisões a partir do estudo elaborado pelo centro de pesquisas da Escola.

Professor Laurimar Farias, um dos elaboradores do estudoO professor Laurimar Farias, um dos elaboradores da pesquisa, destaca a importância da participação dos servidores para o resultado final.

“Este formulário colabora para uma prestação de serviços mais eficiente e um serviço qualificado é o que permite uma avaliação positiva da sociedade, gerando o que chamamos de valor público”. O professor destaca ainda que todos os servidores podem colaborar com o aprimoramento do serviço público e a pesquisa busca reconhecer as potencialidades de cada profissional.

Por Isabela Quirino (EGPA)