Coordenação de Políticas para o Autismo realiza Workshop em parceria com a Defensoria Pública

Evento será às 9h, desta sexta-feira (9), com transmissão ao vivo pelo YouTube, via o canal oficial da Defensoria Pública

08/04/2021 14h28 - Atualizada em 08/04/2021 16h33
Por Melina Marcelino (SESPA)

Com o objetivo de formar profissionais qualificados, instruir e capacitar defensores, servidores e a sociedade, bem como estabelecer protocolos de atendimento humanizados em relação às pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), a Defensoria Pública do Estado do Pará, por meio da Escola Superior da Defensoria, e a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio da Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo, promovem o Workshop sobre Transtorno do Espectro Autista: Direitos e Rede de Atendimento da Pessoa com TEA.

Segundo a coordenadora estadual de Políticas para o Autismo, Nayara Barbalho, no workshop será abordado questões sobre a nova Política Estadual de Proteção dos Direitos da Pessoa com Autismo, como também sobre a rede de atendimento.

Política de proteção e rede de atendimento são temas de workshop“Nós enquanto Sespa e Coordenação do Autismo vamos falar sobre a Política Estadual de proteção dos direitos da pessoa com autismo e as redes de atendimento, será um evento de troca de conhecimento entre a Sespa e a Defensoria, é um evento aberto a servidores, gratuito, online e terá certificação pela Escola Superior da Defensoria”

O evento vai começar com uma mesa de abertura às 9h, seguida de ato solene de assinatura do Termo de Compromisso do 1° estagiário com autismo da Defensoria Pública do Estado. Na continuidade serão realizadas quatro palestras ministradas pelos profissionais da Secretaria de Estado de Saúde Pública e membros da Defensoria Pública do Estado, com encerramento às 12h30. Todos os participantes receberão certificados de participação com carga horária total de 5h.

“De forma inédita a Defensoria vai assinar, simbolicamente, o termo de compromisso que ocasionará em uma vaga de estágio na instituição destinada à pessoa com TEA. A DPE ressalta que a seleção ocorreu de forma curricular e a vaga será preenchida por uma estudante de psicologia. Destaco que a universitária será acolhida com muito respeito e carinho”, enfatizou o defensor público-geral, João Paulo Lédo.