Seduc garante alimentação aos alunos da rede estadual durante a pandemia

Desde a suspensão das aulas presenciais, em março de 2020, o governo já investiu mais de R$ 357 milhões, totalizando 8 recargas de R$ 80 para cada aluno

23/03/2021 17h41 - Atualizada em 23/03/2021 18h31
Por Lilian Guedes (SEDUC)

“O vale tem ajudado bastante na alimentação de casa. Devido à pandemia, alguns membros da minha família não puderam mais trabalhar e esse benefício, com certeza, foi uma ajuda muito importante para nós. Essa iniciativa do governo do Estado é muito boa, porque muitos alunos dependiam da merenda escolar para complementar as suas refeições”, afirma a estudante Brena Gabrielle dos Santos, concluinte do ensino médio da Escola Estadual D.Pedro I. 

A estudante é uma dentre os 576 mil alunos matriculados na rede estadual de ensino que, desde a suspensão das aulas presenciais, passou a receber o benefício do vale-alimentação escolar. O auxílio foi criado pelo Governo do Pará, em abril do ano passado, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para garantir o acesso à alimentação básica de toda a comunidade escolar e seus familiares durante o período da pandemia do novo coronavírus. 

No dia 18 de março de 2020, em cumprimento ao decreto estadual n° 609/2020, as aulas presenciais da rede foram suspensas e a secretaria adotou uma série de medidas para readaptar o processo de aprendizagem - com aulas e atividades não presenciais, para que os estudantes pudessem dar continuidade aos seus estudos de maneira remota, além de garantir o fornecimento de comida. 

Visando o bem estar e a qualidade de vida e nutrição de seus educandos, a iniciativa do governo estadual garante aos estudantes de todos os 144 municípios paraenses, o vale-alimentação no valor de R$ 80 por aluno.

De acordo com a secretária de Estado de Educação, Elieth de Fátima Braga, o vale-alimentação escolar é uma ação governamental inovadora, humanizada e que tem o propósito de investir no bem-estar das pessoas. A titular da Seduc ainda disse que o benefício tem uma repercussão social e financeira importante, pois favorece o incremento na economia dos municípios paraenses.

“O vale-alimentação escolar foi essencial para minimizar os impactos da pandemia na vida dos nossos alunos. Mesmo com a suspensão das atividades escolares de maneira presencial, os estudantes da rede estadual puderam garantir a sua alimentação através dessa iniciativa do Governo do Pará, que buscou não apenas incentivar este aluno, como também incrementou a economia local dos municípios”, frisou.

Lucas CruzDona Antônia Vlaubia da Cura é mãe de Lucas Cruz, de 12 anos, aluno do 8° ano do ensino fundamental. O filho estuda na Escola Estadual Armando Fajardo, em Ananindeua, e também foi contemplado com o recurso que, segundo ela, foi uma alternativa bastante assertiva do Estado.

"O vale-alimentação tem ajudado na nossa alimentação, especialmente na do Lucas. Visto que, está estudando em casa via remota, ele faz o lanche como se tivesse na escola. Na compra priorizo comida mais saudável, como: frutas e verduras. É muito boa a iniciativa do Governo do Estado, pois mostra que se preocupa com a população, e principalmente com os estudantes", comentou a mãe.

Até o momento, já foram distribuídas oito recargas do cartão alimentação para todos os matriculados na rede estadual, o que totaliza a quantia de R$ 640 por aluno em um investimento de mais de R$357 milhões de reais oriundos do Tesouro Estadual. 

“Independentemente do número de alunos que uma família tinha na rede estadual, ela recebia um vale-alimentação por estudante, o que prossegue até o momento. Essa iniciativa foi decisiva para que os alunos mantivessem o vínculo com a escola, além de que pudessem ter o básico da alimentação escolar, neste período que estamos sem atividades presenciais em sala de aula”, finalizou a titular da Seduc.