Prodepa promove inclusão social e produtiva de egressos do Sistema Penal

Parceria entre a Prodepa e a Fábrica Esperança assegura capacitações técnicas e oportunidades de trabalho

25/01/2021 14h49 - Atualizada em 25/01/2021 16h36

Egressos do Sistema Penal prestam serviço à Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa)Aos 31 anos, Maria de Fátima Gonçalves, concluiu recentemente o curso técnico em Enfermagem. Satisfeita com a conquista, ela reconhece a oportunidade que lhe foi dada e pretende trabalhar na área da saúde. "Eu me sinto preparada para o trabalho que aparecer na área", afirma, Maria de Fátima, uma entre os 10 egressos do Sistema Penal, que prestam serviço à Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), nas áreas de manutenção e serviços gerais.

A inserção produtiva assegurada à Maria de Fátima resulta de parceria entre a Prodepa e a Fábrica Esperança. E egressos da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), que cumprem pena privativa de liberdade no regime aberto, prisão domiciliar ou penas restritivas de direito, são reinseridos no mercado, como forma de contribuir à diminuição da criminalidade e da violência, além de promover o desenvolvimento econômico e social do estado do Pará.

Maria de Fátima lembra que a jornada não foi fácil. “Quando a pessoa sai do cárcere é muito difícil conseguir uma oportunidade, então, é muito importante que esse projeto continue, pois ajuda na ressocialização”, ressaltou.

Em regime aberto, prisão domiciliar ou com penas restritivas, egressos do sistema penal se empenham na busca da mudança de vidaO processo de reinserção realizado pela colaboração entre Prodepa e a Fábrica Esperança é visto pelos egressos que buscam mudar de vida, como um excelente incentivo. O auxiliar de manutenção, Eliézer Amaral, é o colaborador mais antigo do projeto, na Prodepa.

Ele está na empresa desde o início da parceria e fala com entusiasmo da chance que tem. “É preciso se entregar ao trabalho, pois é uma oportunidade de dar uma vida melhor pra si, para sua família e para a sociedade”, pondera Eliézer Amaral.

A parceria entre a Prodepa e a Fábrica Esperança tem mais de 15 anos. Essa colaboração surgiu de uma necessidade de novos trabalhadores para a área externa da empresa e como uma forma de dar uma nova chance a quem precisa. E, em geral, os egressos têm compromisso com a oportunidade dada pela empresa para incluí-los novamente na sociedade.

"Cada dia é a possibilidade de ser uma pessoa melhor, de viver dias melhores, e quando eles têm a possibilidade desse acolhimento, eles se sentem recebidos, e sabem que podem estudar, se formar e conseguir mudar”, afirma a supervisora da Unidade de Serviços da Prodepa, Lorrane Paixão, referindo-se ao impacto positivo da reinserção social e produtiva.

Jackson Lima é um ótimo exemplo de que a capacitação profissional faz toda a diferença. Quando ele entrou na Prodepa era da área de serviços gerais, mas após os cursos, pôde assumir a manutenção. “Foi um processo longo, começou tudo pelos estudos, terminei o meu Ensino Médio, depois fiz diversos cursos em várias áreas. Essa oportunidade de poder trabalhar, tem mudado muitas coisas em toda a minha vida”, garantiu.

Atualmente, 10 pessoas prestam serviço à Prodepa e para conseguirem as vagas, os egressos passam por um processo dentro da Fábrica Esperança. Primeiro vão à escola e depois participam de capacitações e treinamentos para atuarem no mercado de trabalho. Após as duas etapas, uma equipe multidisciplinar avalia os participantes para que sejam encaminhados aos postos de trabalho.

Por Governo do Pará (SECOM)