Em tempos de pandemia, Pará oferece experiências e turismo seguro

02/12/2020 18h18 - Atualizada em 02/12/2020 18h31

A pandemia do novo coronavírus deixou as pessoas tanto tempo dentro de casa que respirar “ar puro” ganhou ainda mais importância. Lentamente, os setores afetados estão retornando. O setor do turismo é um dos que segue esse movimento. As viagens e passeios, mudaram um pouco. Máscaras e álcool em gel são os principais acompanhantes. MAs, mesmo com restrições e cuidados necessários, viajar para lugares próximos e aproveitar o Estado é possível nesse momento.

Estudante Jamille e amigos em Salinas

A estudante Jamile Leão e mais quatro amigos, viajaram para Salinas no início do mês de novembro. “Por conta da pandemia, nós começamos a planejar a viagem com dois meses de antecedência, para se organizar financeiramente e por conta novo normal, que nós temos que seguir agora. Nós achamos um lugar perfeito, dentro do que nós queríamos, que era ter um descanso. Sabíamos que não ia dar para sair toda hora para conhecer a cidade, por exemplo, então, procuramos um lugar que, por ele mesmo, fosse bonito e confortável”, conta Jamile.

Jamille e os amigos O Pará possui características naturais que permitem fazer atividades mais isoladas e ao livre. Uma das opções para esse momento é conhecer as cidades com praias, cachoeiras, cavernas, como as que existem no Xingu. A região do Marajó também oferece uma diversidade de trilhas, praias e paisagens naturais que podem ser aproveitadas.

“O Pará possui algo que os turistas procuram em um momento como esse, ambientes ao ar livre, contato com a natureza, o turismo rural, o turismo de experiência, que realmente nos transformam quando nós viajamos. Lugares que não tem aglomeração e que podemos nos integrar com a natureza, voltar às nossas origens e aprender muito”, aponta André Dias, secretário de Estado de Turismo.

O guia Marco Romero trabalha com turismo receptivo há mais de 20 anos. Ele ressalta que ainda é preciso ter cuidados, especialmente das pessoas que estão no grupo de risco. “Belém tem vários parques, áreas abertas que não tem uma aglomeração contínua de pessoas, temos muitas praias, muitas áreas livres. Eu acredito que optar por áreas abertas seria o mais viável para quem quiser ter suas atividades de lazer”, afirma o guia. Além disso, Marco cita que os balneários próximos de Belém, em Marituba, Ananindeua, Benevides, que podem ser viáveis para que, “através de protocolos de saúde e limitações de pessoas, nós possamos ter uma retomada tranquila e optar por fazer lazer próximo à capital”.

O guia de turismo Marco Romero

Jamile Leal pontua que o planejamento antecipado foi fundamental para a viagem ter dado certo, além disso, como todos os amigos estavam em home office desde o início da pandemia e estavam tomando todos os cuidados necessários, o passeio ficou ainda mais seguro. “Foi um oásis, acho que para todo mundo. Nós estávamos precisando daquilo e ficamos muito felizes por ter dado certo. Serviu como descanso, apesar de não podermos sair muito, nós conseguimos descansar e ainda nos deu esperança de que em breve nós vamos sair disso, cuidando um do outro”, declara a estudante.

André Dias destaca que o Pará e os empresários (do setor) estão cumprindo todos os protocolos de segurança sanitária para garantir a saúde dos turistas, das pessoas que trabalham no setor e da população em geral. “Eu acho que nós buscamos, cada vez mais, viagens que possam se transformar em momentos de aprendizado e aqui nós temos isso. Então, nesse momento de pandemia o Pará é um destino ideal para aqueles que querem isso: tempo com a família, reconexão com a natureza e de aprendizado”, finaliza o secretário de turismo.

(Com a colaboração de Aila Beatriz Inete)

Por Israel Pegado (SETUR)