Mais de 1.800 pessoas já foram atendidas no primeiro mês do 'Pré-Operatório Rápido'

O Programa reduz o tempo de espera de exames e consultas necessárias para a realização de qualquer modalidade cirúrgica em todo o Pará

27/11/2020 16h54

Lançado pelo Governo do Estado, desenvolvido há pouco mais de um mês pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), e executado pela Policlínica Metropolitana, em Belém, o Programa “Pré-Operatório Rápido” já beneficiou 1.896 pessoas que estão em trâmite de indicação cirúrgica. Uma delas é a cabeleireira Rejane Paixão, que se prepara para uma cirurgia de catarata. 

“Tentei uma consulta pelo SUS (Sistema Único de Saúde) no início do ano, mas a pandemia atrapalhou todo o processo. Retomei essa procura quando soube desse programa e fiquei surpresa pela rapidez'', contou Rejane Paixão.

A cabeleireira informou que fez os exames pré-operatórios num único dia e de graça. "Muito bom esse serviço. Já devo sair daqui com tudo encaminhado para fazer a cirurgia”, afirmou Rejane, que agendou sua ida à Policlínica pelo telefone e uma semana depois foi convocada para ser submetida presencialmente a exames, como o de sangue e de Raio-X.

O programa “Pré-Operatório Rápido” tem reduzido o tempo de espera de exames e consultas necessárias para a realização de qualquer modalidade cirúrgica. E isso abrange também pacientes de todo o Pará, como é o caso do aposentado Francisco de Souza, encaminhado pela Secretaria de Saúde de Capanema para a realização de uma intervenção no intestino.

“Saber que posso voltar hoje para casa, após realizar os exames, é muito bom. O serviço aqui é organizado e as pessoas aqui são atenciosas, educadas, olham nos olhos da gente. Depois é esperar pelo dia da cirurgia”, comentou Francisco de Souza.

Até esta sexta-feira (27) o Programa já havia realizado 1.826 consultas; 1.700 eletrocardiogramas; 1.721 exames por Raio-X e 31.086 exames laboratoriais.

Para participar, o agendamento prévio é feito por ligação, pelo número (91) 4005-0510, ou pelo WhatsApp, através dos telefones (91) 98526-9319, 98564-7638 e 98521-5110. Por esses números, a pessoa será atendida por uma equipe de Call Center. O paciente deve ter em mãos, nessa ocasião, documentos como o Cartão Nacional do SUS, RG, CPF e comprovante de residência, além de informar que tipo de cirurgia tem indicação.

Quando for convocado para estar na Policlínica Metropolitana com chegada atencipada de 40 minutos, o paciente será submetido a exames laboratoriais, eletrocardiograma e raios-X. Em seguida, será atendido por um dos médicos cardiologistas e, se houver necessidade, por médico anestesiologista para receber o risco cirúrgico. Quem precisar de exames mais específicos sairá da unidade com eles já marcados. O atendimento é feito por demanda espontânea com a Autorização de Internação Hospitalar (AIH), que deve ser apresentada pelo próprio paciente.

Para o secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho Gomes, o dinamismo estabelecido no fluxo de atendimento na Policlínica indica o principal objetivo do governo estadual nesse projeto: o de acelerar os procedimentos a fim de que os pacientes mantenham os exames atualizados a tempo de serem submetidos a cirurgia de acordo com os protocolos médicos. “Isso também vai amenizar as filas de espera até serem zeradas. Essa é uma das metas do programa”, afirma. 

A Policlínica atende de segunda a sexta-feira, de 7h às 19h. “Já estamos alcançando a meta de 80% do quantitativo diário, ou seja, cada vez mais pacientes estão levando menos tempo para conseguir realizar todos os procedimentos necessários e receber toda a documentação exigida para realizar a cirurgia”, explica o coordenador do serviço de Cardiologia, Felipe Pacheco, ao lembrar que a prioridade do programa é que o paciente seja submetido a todos os exames e consultas necessárias em um dia. 

Em casos de cirurgias mais complexas, que necessitam de exames complementares específicos, conforme avaliação médica, para otimizar o tempo dos pacientes, os procedimentos são marcados para a data mais próxima possível.

“Trabalhamos para que, pelo menos, 80% dos pacientes concluam todos os procedimentos no prazo de 12 horas. Trata-se de uma iniciativa de sucesso neste governo, que tem proporcionado uma agilidade no fluxo de atendimento pelo SUS”, afirma Luiz Fausto da Silva, diretor técnico da Policlínica Metropolitana.

Por Mozart Lira (SESPA)