Em 2019, Pará atingiu a maior taxa de geração de empregos no norte do Brasil

Para este ano, apesar da pandemia, obras do governo do Estado contribuem para a oferta de postos de trabalho

27/10/2020 19h26 - Atualizada em 27/10/2020 20h47

Com obras de infraestrutura, o governo do Estado abre frentes de trabalho em várias regiõesEstudo divulgado nesta terça-feira (27), pelo escritório regional do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base em informações do Ministério da Economia, o Estado do Pará é o maior gerador de empregos formais na Região Norte em 2019, com saldo positivo de 10 mil postos de trabalho.

A Construção Civil, com mais de 3 mil vagas, contribuiu para o desempenho do Pará em 2019Segundo o estudo, a grande maioria dos setores econômicos do Estado apresentou saldos positivos na geração de empregos. O destaque é o setor de Serviços, com 4.048 postos de trabalho, seguido pelo Comércio, com 3.957 novos empregos; Construção, com 3.428 vagas, e Indústria, responsável pela geração de 1.478 postos de trabalho.

Dessa maneira, o Pará registrou um crescimento de 9,65% na geração de empregos formais em relação ao ano anterior (2018), reafirmando a importância dos investimentos feitos pelo governo do Estado para garantir empregabilidade à população. “Nós estamos transformando o Pará em um grande canteiro de obras em todos os municípios. Temos um crescimento de 200% de investimentos em infraestrutura, logística e estradas”, frisa o secretário de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, Inocencio Gasparim.Obras de pavimentação de vias urbanas e estradas também geram empregos durante a pandemia

Na avaliação do secretário, o ano de 2020 pode ser visto com otimismo mesmo diante da pandemia de Covid-19, devido aos números que o Estado vem atingindo em todas as esferas da economia. “O Governo do Pará está levando asfalto e reformando escolas em todas as regiões, gerando oportunidades de emprego para muitos trabalhadores, além de outros projetos governamentais que estão sendo realizados. Não podemos esquecer que o Estado também está apoiando a iniciativa privada para fortalecer a contratação de trabalhadores em solo paraense”, ressalta Inocencio Gasparim.

Por Rodrigo Souza (SEASTER)