Adepará garante padrão de identidade e qualidade do tucupi produzido no Pará

07/10/2020 18h36 - Atualizada em 08/10/2020 10h24
Por Aycha Nunes (ADEPARÁ)

A Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) acompanha a produção e comercialização do tucupi, um dos ingredientes mais usados da culinária paraense, que ganha destaque durante as festividades do Círio de Nazaré. O objetivo é garantir os padrões de higiene e qualidade do produto, especialmente neste mês, quando aumenta a demanda. As dez fábricas certificadas pela agência produzem, atualmente, cerca de 200 mil litros por ano.

“A Adepará regulamenta e fiscaliza os padrões relativos às características originais do tucupi, além dos requisitos gerais de higiene, garantindo a sanidade e qualidade na produção”, detalha o gerente de inspeção de produtos de origem vegetal da Adepará, Hamilton Altamiro.

O padrão de identidade e qualidade do tucupi foi instituído pela Adepará em conjunto com a Comissão Estadual de Padronização de Produtos de Origem vegetal (Cepov), oficializado pela Resolução nº 2, de 22 de abril de 2005, documento que determina características físico-químicas, níveis de aditivos intencionais, acidentais e requisitos gerais de higiene para produção.

Características - O tucupi tem fases líquida e sólida. Esta distinção deve ser percebida quando o produto está em repouso. Para fins de padronização do que é produzido no Pará, é terminantemente proibido o uso de corantes, realçadores de sabor, emulsificantes, espessantes ou qualquer outra substância que altere a composição original. 

As características físicas e sensórias devem ser as provenientes do tucupi, observando-se os limites mínimos e máximos fixados pela resolução. O produto não pode ter as características alteradas pelos equipamentos, utensílios, recipientes e embalagens usados durante o processamento e comercialização.

Para garantia de higiene, além da obrigatoriedade em seguir os padrões para a instalação da empresa, processamento, higiene e comercialização do alimento, o tucupi deve ser submetido à análise microbiológica para observar a presença de bactérias como Salmonella e Coliformes fecais, atualmente chamado de coliformes termotolerantes.

Produção - No Pará, fica em Belém a maioria das dez unidades de produção de tucupi com o certificado da Adepará. “Temos quatro fábricas na capital, três em Santa Izabel do Pará, duas em Santo Antônio do Tauá e uma em Castanhal”, detalha Hamilton Altamiro.

José Matos é dono de fábrica em Belém, com o selo de certificação da Adepará. Segundo ele, outubro, junho e maio são os meses em que procura e, consequentemente, a produção aumentam. “Produzimos, em média, 50 mil litros de tucupi todos os anos. A maior parte dessa produção abastece o mercado nos meses de maior demanda, por conta do Círio, festas juninas e dia das mães”, diz o produtor, que atua no setor há 15 anos.

Para se candidatar ao certificado, o produtor deve ter a empresa registrada na Adepará. O registro do estabelecimento tem validade em todo o Estado e deve ser renovado a cada dois anos, por solicitação formalizada pelo interessado. O cancelamento é automático caso a renovação não seja requerida em tempo hábil.

O proprietário ou representante legal que quiser fazer o registro do estabelecimento deve entrar em contato com a unidade regional de atendimento da Adepará mais próxima. Os números e e-mails estão disponíveis no site www.adepara.pa.gov.br.